Polícia

Moradora joga sujeira em terreno baldio e é surpreendida com ‘lixão’ em seu quintal

Uma briga entre vizinhos por causa do lixo jogado em um terreno abandonado foi parar na delegacia de Polícia Civil na cidade de Vicentina, a 246 quilômetros de Campo Grande. O vizinho teria se irritado com a mulher que jogou sujeira no terreno e teria jogado lixo no quintal dela na manhã desta segunda-feira (18). […]

Dayene Paz Publicado em 19/05/2020, às 18h39 - Atualizado em 20/05/2020, às 08h26

Moradora foi jogar lixo em terreno que moradores usavam como 'lixão'. Imagem ilustrativa
Moradora foi jogar lixo em terreno que moradores usavam como 'lixão'. Imagem ilustrativa - Moradora foi jogar lixo em terreno que moradores usavam como 'lixão'. Imagem ilustrativa

Uma briga entre vizinhos por causa do lixo jogado em um terreno abandonado foi parar na delegacia de Polícia Civil na cidade de Vicentina, a 246 quilômetros de Campo Grande. O vizinho teria se irritado com a mulher que jogou sujeira no terreno e teria jogado lixo no quintal dela na manhã desta segunda-feira (18). O caso foi registrado nesta terça-feira (19).

Conforme o relato da moradora em boletim de ocorrência, ela foi até um terreno abandonado para jogar seu lixo, local usado pelos vizinhos, de acordo com ela, para jogar lixo doméstico. Ainda, de acordo com a mulher, o lixo acumulado é incendiado no local.

No entanto, nesta segunda-feira, o vizinho da vítima teria colocado uma placa no terreno pedindo para que as pessoas parassem de jogar lixo no local. Na ocasião, o vizinho reiterou o pedido e disse para que a mulher não jogasse mais lixo no terreno. Ela respondeu dizendo que jogaria, pois toda a vizinhança fazia o mesmo e assim fez.

Minutos depois, já em casa a mulher escutou um barulho e ao verificar, encontrou lixo em seu quintal. Ela recolheu o lixo e seguiu para jogar no terreno novamente, quando o vizinho apareceu e a segurou pelos braços, falando que ela não iria jogar mais lixo naquele terreno.

A mulher afirmou que teve ferimentos e procurou a delegacia de Polícia Civil para registrar o caso.

Jornal Midiamax