Polícia

Membro de quadrilha que deu R$ 5 milhões de prejuízo em golpes é preso

Suspeito de integrar quadrilha ligada à estelionato, receptação, furto de carga e falsificação de documentos em São Paulo foi preso nesta segunda-feira (07), em Campo Grande, pelo Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado) em apoio à Polícia Civil de Campinas (SP). O grupo deu mais de R$ 5 milhões de prejuízo. […]

Renan Nucci Publicado em 07/12/2020, às 15h52 - Atualizado às 17h58

Viaturas do Dracco e da Polícia Civil de São Paulo durante ação em Campo Grande. Foto: Divulgação
Viaturas do Dracco e da Polícia Civil de São Paulo durante ação em Campo Grande. Foto: Divulgação - Viaturas do Dracco e da Polícia Civil de São Paulo durante ação em Campo Grande. Foto: Divulgação

Suspeito de integrar quadrilha ligada à estelionato, receptação, furto de carga e falsificação de documentos em São Paulo foi preso nesta segunda-feira (07), em Campo Grande, pelo Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado) em apoio à Polícia Civil de Campinas (SP). O grupo deu mais de R$ 5 milhões de prejuízo.

O investigado foi localizado por volta das 6 horas da manhã, no Bairro Buriti. A ação é desdobramento da Operação Invoice, deflagrada inicialmente no dia 27 de abril. Nesta segunda fase, foram cumpridos 21 mandados de busca e apreensão e 13 de prisão em São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Operação Invoice

A primeira fase da Operação Invoice cumpriu cinco mandados de prisão e 26 de busca e apreensão em nove cidades de São Paulo e Minas Gerais. No mesmo dia, um homem apontado como chefe de uma quadrilha de estelionatários que atuava nos dois estados, por meio de redes sociais e sites de compra, foi preso.

Os golpes eram aplicados há cerca de um ano, e o prejuízo gerado às empresas foi calculado pela polícia em R$ 5 milhões. O delegado responsável pelo caso, José Carlos Fernandes, afirmou à época que o suspeito tinha um grupo no Whatsapp e fazia encomendas para outros estelionatários. Ele pegava os produtos e revendia por um preço mais barato na internet.

Jornal Midiamax