Polícia

Mecânico goiano é preso por transportar peixes acima do permitido em MS

Durante fiscalização na MS-135 com a BR-359, Policiais Militares Ambientais de Costa Rica prenderam um mecânico, de 33 anos, por transporte de pescado ilegal. Conforme divulgado pela PMA (Polícia Militar Ambiental), ele, que mora em Mineiros (GO), foi abordado em uma caminhonete Chevrolet S10 e transportava na carroceria do veículo em um freezer 21 exemplares […]

Fábio Oruê Publicado em 12/10/2020, às 23h12

(Foto: PMA)
(Foto: PMA) - (Foto: PMA)

Durante fiscalização na MS-135 com a BR-359, Policiais Militares Ambientais de Costa Rica prenderam um mecânico, de 33 anos, por transporte de pescado ilegal.

Conforme divulgado pela PMA (Polícia Militar Ambiental), ele, que mora em Mineiros (GO), foi abordado em uma caminhonete Chevrolet S10 e transportava na carroceria do veículo em um freezer 21 exemplares de peixes, alguns sem cabeça e outros beneficiados e também inteiros.

O homem afirmou ter capturado o pescado no rio Taquari, no município de Coxim, distante 254 km de Campo Grande, e voltava da pescaria, apresentado a licença de pesca para justificar o transporte.

Dentre os peixes, havia um exemplar da espécie jaú, que estava sem cabeça e media apenas 45 centímetros, quando o tamanho mínimo de captura é de 95 centímetros para a espécie. Além disso, havia sete exemplares da espécie Armal beneficiados, o que é proibido para o transporte.

Além de tudo, o pescador só poderia capturar um exemplar de peixe nativo e mais cinco exemplares de piranha e não havia piranhas entre os peixes, o que também é caracterizado o crime, tendo em vista que só poderia estar transportando um exemplar de peixe nativo. O pescado, pesando 10 kg e o veículo foram apreendidos.

Os Policiais deram voz de prisão ao infrator e o encaminharam à Delegacia de Polícia Civil de Costa Rica, juntamente com o material apreendido, onde ele foi autuado em flagrante por crime ambiental de transporte de produto da pesca predatória e saiu depois de pagar fiança.

A pena para o crime é de um a três anos de detenção. Ele também foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 900. O pescado será doado para instituições filantrópicas depois de periciado.

Jornal Midiamax