Polícia

Mato Grosso do Sul teve um policial civil assassinado a cada dois meses durante 2020

O ano de 2020, em Mato Grosso do Sul já começou com assassinatos de policiais civis. Em fevereiro, Arthur Kemishian, foi morto a tiros, em Sete Quedas, quando o carro em que estava foi alvejado por tiros, sendo que quatro atingiram o policial. Nesta terça-feira (9), os policiais civis da Derf (Delegacia Especializada de Repressão […]

Thatiana Melo Publicado em 10/06/2020, às 10h39 - Atualizado às 15h30

None

O ano de 2020, em Mato Grosso do Sul já começou com assassinatos de policiais civis. Em fevereiro, Arthur Kemishian, foi morto a tiros, em Sete Quedas, quando o carro em que estava foi alvejado por tiros, sendo que quatro atingiram o policial. Nesta terça-feira (9), os policiais civis da Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos), Antônio Marcos Roque da Silva e Jorge Silva dos Santos, foram assassinados dentro da viatura.

A cada dois meses, um policial civil foi assassinado em Mato Grosso do Sul segundo Marcelo Vargas, diretor-geral da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul. Vargas falou na coletiva de imprensa, na manhã desta quarta (10), sobre o procedimento adotado pelos policiais de não algemarem Ozéias quando colocado dentro da viatura e de não terem feito a revista, no suspeito.

“Com a nova Lei de Abuso de Autoridade, não havia elementos que justificassem o Ozéias ser algemado ou revistado pelos policiais, já que ele estava sendo levado na condição de testemunha’, disse Vargas. Já sobre o roubo da joalheria que estava sendo investigada pelos policiais, ele afirmou que as investigações ainda estão em curso, não podendo dar detalhes.

O diretor-geral também disse que mesmo com uma viatura de apoio, Ozéias não seria revistado e nem algemado. “É preciso repensar entre responder por um abuso de autoridade ou ser vítima de um homicídio”, terminou.

Os dois policiais da Derf foram assassinados com tiros na cabeça dentro da viatura quando encaminhavam os suspeitos pelo crime de roubo a uma joalheria em uma viatura descaracterizada. Eles teriam roubado a joalheria em maio deste ano, levando várias peças de joias e dinheiro. Willian Duarte Cormelato foi preso e Ozéias fugiu, mas acabou sendo encontrado e morto em uma troca de tiros durante a madrugada desta quarta (10), no bairro Santa Emília.

Assassinato Arthur Kemeshian

O policial civil Arthur Kemishian de 30 anos assassinado a tiros no dia 6 de fevereiro, em Sete Quedas, cidade a 466 quilômetros de Campo Grande. Ele estavaa em seu veículo, um Hyundai HB20, quando foi atacado pelos autores que segundo informações, estavam em um VW Gol branco. Arthur teria sido baleado ao menos quatro vezes. Um dos autores teria descoberto que o policial estava se relacionando com sua namorada, e por isso, matou Arthur com a ajuda de um adolescente. O menor foi apreendido.

Jornal Midiamax