Polícia

Justiça revoga e mantém prisão de chefão do PCC condenado a mais de 100 anos

Depois de conceder a prisão domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica, a Justiça revogou e manteve nesta quarta-feira (22) a prisão de Gerson Palermo, apontado como chefão do PCC (Primeiro Comando da Capital). Ele foi condenado a 100 anos de prisão por tráfico internacional de drogas. A defesa de Palermo impetrou pedido de habeas corpus […]

Thatiana Melo Publicado em 23/04/2020, às 06h14 - Atualizado às 06h17

Gerson Palermo conseguiu prisão domiciliar usando coronavírus como desculpa
Reprodução, PCMS)
Gerson Palermo conseguiu prisão domiciliar usando coronavírus como desculpa Reprodução, PCMS) - Gerson Palermo conseguiu prisão domiciliar usando coronavírus como desculpa Reprodução, PCMS)

Depois de conceder a prisão domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica, a Justiça revogou e manteve nesta quarta-feira (22) a prisão de Gerson Palermo, apontado como chefão do PCC (Primeiro Comando da Capital). Ele foi condenado a 100 anos de prisão por tráfico internacional de drogas.

A defesa de Palermo impetrou pedido de habeas corpus no dia 20 de abril, na 1º Vara de Execução Penal de Campo Grande, alegando a situação em que o país vive a pandemia do coronavírus, pedindo para que Palermo cumprisse prisão domiciliar com uso de tornozeleira. Ainda segundo os advogados, o cliente tem mais de 60 anos e possui diabetes estando custodiado no Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande.

Foi concedida a liminar para cumprimento da prisão domiciliar no plantão judiciário, mas depois foi revogada pelo desembargador Jonas Hass Silva que manteve a prisão de Gerson Palermo. O magistrado alegou a falta de laudo pericial médico atestando que o réu tem alguma doença, além de se tratar de um preso de alta periculosidade e que Palermo será isolado da massa carcerária e por fim sua pena ultrapassa 100 anos, o que não é recomendado a prisão domiciliar.

Chefão do PCC

Gerson Palermo, chefe de célula do PCC (Primeiro Comando da Capital) que operava tráfico internacional de cocaína se apresentava como comerciante informal de luxo para venda de aeronaves e caminhões. Além disso, contava com rede de falsários para executar desvio de bens e lavagem de dinheiro.

Gerson foi investigado no âmbito da operação All In, deflagrada em março de 2017 pela Polícia Federal e que resultou na apreensão de duas remessas de mais de 800 quilos de cocaína em Cubatão (SP) e São Paulo (SP).

Durante as investigações, foi descoberto que o PCC teve à disposição pelo menos três aeronaves e cerca de 15 caminhões e carretas, além de vários veículos de passeio, todos oriundos de rendimentos do tráfico de drogas e registrados em nome de laranjas. O grupo ocultava e dissimulava a posse dos bens.

Gerson, por sua vez, se passava por comerciante informal de caminhões e aeronaves, desfrutando de alto padrão de vida sem que tivesse, de fato, qualquer bem em seu nome. Ele determinava a troca frequente da propriedade formal dos caminhões e aeronaves, tanto que o grupo tinha alguns de seus integrantes exclusivamente dedicados à compra, venda e transferência de bens.

Eles contavam também com despachantes, incluindo despachantes aeronáuticos, e tinham acesso a uma rede de falsários dedicada a obter documentos ou até empreender falsificações, justamente para dinamizar os atos de lavagem de ativos. Para legitimar a movimentação de lucros do tráfico, usavam contas correntes de seus próprios integrantes, familiares, amigos, conhecidos e mesmo empresários próximos, fragmentando as transferências em depósitos múltiplos, a fim de evitar os mecanismos de detecção de movimentações bancárias suspeitas.

Visando blindar as comunicações vinculadas ao tráfico, o PCC contava também com terminais telefônicos registrados em nome de terceiros (sem qualquer relação com os fatos), com a troca constantes destes mesmos números, com a preferência por realizar contatos por aplicativos ou chamadas audiovisuais e a utilização de códigos e apelidos.

Jornal Midiamax