Polícia

Justiça recebe apelação de condenado a 18 anos pela morte de Rafael Baron

O juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida, da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, recebeu recurso de apelação de Igor César de Lima Oliveira, contra sentença que o condenou 18 anos de prisão e 10 dias-multa pelo assassinato do motorista de aplicativo Rafael Baron, ocorrido em maio do ano passado. No entanto, […]

Renan Nucci Publicado em 14/12/2020, às 16h43 - Atualizado às 16h44

Réu durante julgamento. (Foto: Henrique Arakaki)
Réu durante julgamento. (Foto: Henrique Arakaki) - Réu durante julgamento. (Foto: Henrique Arakaki)

O juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida, da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, recebeu recurso de apelação de Igor César de Lima Oliveira, contra sentença que o condenou 18 anos de prisão e 10 dias-multa pelo assassinato do motorista de aplicativo Rafael Baron, ocorrido em maio do ano passado. No entanto, o despacho não significa que a pena será alterada, mas sim que os méritos da defesa serão avaliados.

Igor foi condenado a 3 anos de reclusão e 10 dias multa por porte ilegal de arma de fogo e 15 anos de prisão por homicídio qualificado com recurso que dificultou a defesa da vítima e motivo torpe. 

No dia do assassinato, 13 de maio de 2019, Rafael foi morto a tiros depois de puxar conversa com a esposa de Igor durante uma corrida, no Campo Nobre. Igor alegou que o motorista teria começado uma conversa com a esposa dele. 

Ao deixar o casal no residencial em que moravam, Igor desceu do veículo e disse, conforme o registro da polícia, que viu Rafael e a esposa supostamente dele se beijarem, o que não teria ocorrido de acordo com uma testemunha. 

Neste momento ele teria entrado no apartamento pela janela, pegado a arma de fogo e atirado contra a vítima. Igor chega a dizer ainda que sabia que a arma estava municiada com dois projéteis, que usaria um para atirar contra Rafael e outro contra a esposa.

Após quase quatro meses foragido, Igor foi detido em uma casa no Jardim Carioca, onde se escondia.

Jornal Midiamax