Polícia

Funcionária de padaria denuncia colega que passou mão nas suas nádegas

Uma funcionária de uma padaria de 19 anos denunciou um colega de trabalho nesta quinta-feira (27), por assédio. Constantemente, o homem que também trabalha no local a importuna sexualmente. Na delegacia, ela contou que trabalha há 4 meses no estabelecimento e que desde a sua chegada a padaria, o colega passa as mãos em suas […]

Thatiana Melo Publicado em 27/08/2020, às 10h13

Outras funcionárias já teriam passado pela mesma situação (Ilustrativa)
Outras funcionárias já teriam passado pela mesma situação (Ilustrativa) - Outras funcionárias já teriam passado pela mesma situação (Ilustrativa)

Uma funcionária de uma padaria de 19 anos denunciou um colega de trabalho nesta quinta-feira (27), por assédio. Constantemente, o homem que também trabalha no local a importuna sexualmente.

Na delegacia, ela contou que trabalha há 4 meses no estabelecimento e que desde a sua chegada a padaria, o colega passa as mãos em suas nádegas, barriga e braços. Segundo a jovem, outras funcionárias também seriam assediadas pelo homem.

As outras vítimas não registraram boletim de ocorrência. O suspeito ainda será intimado a ser ouvido e o caso foi registrado como importunação sexual.

Importunação sexual é crime

O crime de importunação sexual é caracterizado pela realização de ato libidinoso na presença de alguém e sem sua anuência. O caso mais comum é o assédio sofrido por mulheres em meios de transporte coletivo, como ônibus e metrô. Antes, isso era considerado apenas uma contravenção penal, com pena de multa. Agora, quem praticá-lo poderá pegar de 1 a 5 anos de prisão.

Jornal Midiamax