Polícia

Ex-guarda que matou rapaz a tiro em bar vai cumprir internação mesmo após tentar recurso

Condenado a cumprir internação mediante alegação de transtorno mental, o ex-guarda municipal Fabio Augusto da Silva Souza, acusado do homicídio de Felipe Cardoso da Silva, deve passar a cumprir a pena após ter pedido de alteração da sentença negado. O crime aconteceu em 1º de outubro de 2015, quando o guarda, utilizando a arma de […]

Renata Portela Publicado em 11/12/2020, às 08h28 - Atualizado às 12h21

Arma usada pelo guarda no dia do crime (Arquivo)
Arma usada pelo guarda no dia do crime (Arquivo) - Arma usada pelo guarda no dia do crime (Arquivo)

Condenado a cumprir internação mediante alegação de transtorno mental, o ex-guarda municipal Fabio Augusto da Silva Souza, acusado do homicídio de Felipe Cardoso da Silva, deve passar a cumprir a pena após ter pedido de alteração da sentença negado. O crime aconteceu em 1º de outubro de 2015, quando o guarda, utilizando a arma de um colega, teria atirado contra o rapaz.

A decisão dos juízes da 3ª Câmara Criminal do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) foi de manter a sentença de internação. A defesa pedia que Fabio cumprisse como medida cautelar o tratamento ambulatorial. Mesmo assim, o entendimento foi de que “o estado de ira, a impulsividade, a busca por vingança e frieza no homicídio evidenciam a necessidade de tratamento em ambiente fechado, mediante internação”.

Também conforme a publicação do Diário da Justiça desta sexta-feira (11), Fabio apresenta grave estresse agudo. Tudo isso implica para que ele cumpra a pena em internação. Após o crime, ele foi excluído da GCM (Guarda Civil Metropolitana).

Relembre o caso

A denúncia do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) aponta que por volta das 22h44 daquele dia 1º de outubro, Fabio matou Felipe Cardoso a tiros no Aero Rancho. Ele utilizou a arma que o colega Emerson Pecorari portava. Após o crime, os dois foram até o CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) do Aero Rancho, onde entregaram a arma, uma pistola, para Eder Henrique.

Segundo a peça, o crime aconteceu após uma briga entre Fabio e Felipe. Emerson também foi denunciado por portar a pistola Taurus, em desacordo com determinação legal. O crime teria ocorrido no dia do aniversário de Fabio, sendo que ele e o colega teriam ido até um bar para comprar bebidas.

Fabio começou uma discussão com clientes e a confusão se encerrou após Eder chegar ao local fardado. Eles então saíram e foram até o CRAS, onde estava Emerson. Fabio alegou que tinha apanhado e chamou o colega para retornar ao bar com ele. Com isso, sem dizer nada, Fabio sacou a pistola e atirou contra Felipe.

*Matéria editada às 10h para correção de informação

Jornal Midiamax