Polícia

Encapuzados apontam arma para mulher e crianças e homem some em Campo Grande

Um homem de 27 anos, que cumpre pena com tornozeleira eletrônica, está desaparecido desde a tarde desta quinta-feira (08), após quatro homens armados invadirem sua residência no Jardim Inápolis, em Campo Grande. Na ocasião, os homens apontaram armas de fogo para a mulher e as crianças que estavam na casa. Na delegacia, a mulher contou […]

Dayene Paz Publicado em 09/10/2020, às 11h52 - Atualizado às 17h16

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Imagem ilustrativa

Um homem de 27 anos, que cumpre pena com tornozeleira eletrônica, está desaparecido desde a tarde desta quinta-feira (08), após quatro homens armados invadirem sua residência no Jardim Inápolis, em Campo Grande. Na ocasião, os homens apontaram armas de fogo para a mulher e as crianças que estavam na casa.

Na delegacia, a mulher contou que a família é do Amapá, onde o esposo cumpria pena no presídio. Mas, diante das constantes ameaças de morte que o homem estava sofrendo, a família se mudou para MS, assim que ele passou a cumprir pena com uso de tornozeleira. Eles estão há dois anos em Campo Grande.

O casal chegou a combinar que, se algo ocorresse, o marido se esconderia no telhado. Foi o que ocorreu na tarde desta quinta-feira, quando quatro homens armados e encapuzados, invadiram a casa no Jardim Inápolis. Eles colocaram a arma na cabeça da mulher e das crianças e passaram a perguntar do “Tio Chico”.

Os encapuzados procuraram pela casa e, como não encontraram o homem, saíram dizendo que em qualquer lugar eles “iriam se acertar”. Segundo a mulher, todos os suspeitos tinham sotaque do Amapá.

Em seguida, a mulher chamou o marido e ele não respondeu. Ao ir no telhado, encontrou apenas a tornozeleira dele. Ela contou na delegacia que em nenhum momento viu os autores o levando. Assim, sem notícias desde esta quinta-feira, resolveu comunicar a Polícia Civil e na delegacia entregou a tornozeleira encontrada no telhado.

O caso foi registrado como ameaça, violação de domicílio e desaparecimento de pessoa, na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Cepol.

Jornal Midiamax