Polícia

Corpo é encontrado com corte do pescoço à boca em estrada próxima à Unei em MS

Segundo delegado, corpo estava no local há pelo menos 8 horas, devido ao estado de rigidez cadavérica. Ainda não há identificação.

Danielle Errobidarte Publicado em 10/12/2020, às 16h02

Corpo estava em estrada de acesso à Unei de Três Lagoas. (Foto Ilustrativa)
Corpo estava em estrada de acesso à Unei de Três Lagoas. (Foto Ilustrativa) - Corpo estava em estrada de acesso à Unei de Três Lagoas. (Foto Ilustrativa)

Um corpo de homem ainda não identificado foi encontrado por volta das 13h da tarde desta quinta-feira (10), em estrada que dá acesso à Unei (Unidade Educacional de Internação) Tia Aurora de Três Lagoas, distante 333 km da Capital. No bolso do short, estavam um isqueiro e cachimbo de fabricação artesanal, utilizado para consumo de crack.

Segundo o delegado Orlando Vicente Abate Sachi, da 3ª DP (Delegacia de Polícia) da cidade, é provável que o corpo estivesse no local há pelo menos oito horas, devido ao estado de rigidez cadavérica. “Uma pessoa que passou pelo local ligou para a PM (Polícia Militar), que acionaram a 3ª DP. O corpo estava a 300 metros do fundo do prédio da Unei, então se alguém passasse por lá e não fixasse bem o olhar, não conseguiria identificar que era um corpo”, afirma.

Ainda conforme o delegado, o homem trajava uma bermuda lilás e botina nos pés. Foram verificados sinais de luta corporal e os policiais encontraram um par de chinelos preto ao lado do corpo. “Existe hipótese de que tenha sido uma briga entre usuários de drogas, pois foram encontrados um estojo com isqueiro dentro e cachimbo para fumar crack, mas não temos nada confirmado por enquanto”, explica.

Sacchi ainda explicou que o corpo apresentava diversos ferimentos por objeto cortante, possivelmente faca de grande porte, nos braços, abdômen e um corte desde o pescoço até a boca. O caso foi registrado como homicídio simples. Ainda segundo o delegado, não existem registros de desaparecidos com as características da vítima, que possam ajudar na identificação.

Jornal Midiamax