Polícia

Condenado anunciava vaga de emprego, atraía mulheres e as ameaçava para que cometessem crimes

De dentro do Presídio de Segurança Máxima Jair Ferreira de Carvalho, em Campo Grande, homem de 41 anos, condenado por roubo a banco e organização criminosa,  oferecia vagas de emprego a mulheres na internet e depois as ameaçava, para que elas cometessem crimes para ele. O esquema dele foi desarticulado nesta quarta-feira (15), durante a  […]

Renan Nucci Publicado em 15/07/2020, às 17h19

Revólver apreendido pelos policiais durante a operação. Foto: Divulgação
Revólver apreendido pelos policiais durante a operação. Foto: Divulgação - Revólver apreendido pelos policiais durante a operação. Foto: Divulgação

De dentro do Presídio de Segurança Máxima Jair Ferreira de Carvalho, em Campo Grande, homem de 41 anos, condenado por roubo a banco e organização criminosa,  oferecia vagas de emprego a mulheres na internet e depois as ameaçava, para que elas cometessem crimes para ele. O esquema dele foi desarticulado nesta quarta-feira (15), durante a  Operação Hamadríades. 

Participaram a Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos), com apoio da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), Núcleo de Operações Especiais e canil da PRF (Polícia Rodoviária Federal) e SIG (Setor de Investigações Gerais) da Polícia Civil de Anastácio. Mesmo estando na cadeia, o homem tinha acesso à internet.

Ele oferecia vaga de emprego em um site de anúncios, se passando por representante de uma empresa do Mato Grosso. Os requisitos para contratação eram de que a vítima fosse mulher e tivesse carro. Em contrapartida, ela receberia salário de R$ 2 mil mais despesas de combustível. No entanto, ele exigia das candidatas currículo completo, com dados pessoais e bancários.

Com tais informações em mãos, passava a ameaçar as mulheres e ordenava que elas ‘trabalhassem’ para ele cometendo crimes. Caso recusassem, teriam que pagar R$ 50 mil ou entregar o carro, ou então os comparsas dele iriam até a casa delas para assassinar familiares. Após descoberta do esquema, os policiais passaram a monitorar as ações do investigado e identificaram duas mulheres e um rapaz de 18 anos como seus comparsas.

Diante dos fatos, foi deflagrada a operação, que resultou na apreensão de um revólver calibre 22 e 77 munições, bem como na localização de um dos comparsas em Anastácio, que foi interrogado. O principal articulado, ao ser entrevistado, demonstrou total desprezo pelas vítimas, zombando do terror que levou a elas ao ameaçá-las. Apesar de já estar na cadeia, foi preso preventivamente. A ação ainda resultou na coleta de informações que podem levar ao esclarecimento de homicídio de desmanche de uma quadrilha de traficantes.

Jornal Midiamax