Polícia

Seguem buscas por militar que despareceu no rio Paraná após colisão de embarcações

Continuam as buscas pelo soldado o Daniel Henrique Trarbach Engelmann, do Exército Brasileiro, que desapareceu após acidente entre duas embarcações ocorrido na noite de domingo (10), no rio Paraná, na região de Guaíra (PR), município que fica na divisa com Mundo Novo. Helicóptero do CGPA (Coordenadoria-Geral de Policiamento Aéreo), da Polícia Militar de Mato Grosso […]

Renan Nucci Publicado em 14/05/2020, às 16h09 - Atualizado às 16h32

Equipes durante buscas a militar desaparecido no DF. Foto: CGN.INF
Equipes durante buscas a militar desaparecido no DF. Foto: CGN.INF - Equipes durante buscas a militar desaparecido no DF. Foto: CGN.INF

Continuam as buscas pelo soldado o Daniel Henrique Trarbach Engelmann, do Exército Brasileiro, que desapareceu após acidente entre duas embarcações ocorrido na noite de domingo (10), no rio Paraná, na região de Guaíra (PR), município que fica na divisa com Mundo Novo. Helicóptero do CGPA (Coordenadoria-Geral de Policiamento Aéreo), da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, estava dando apoio, mas retornou à base em Campo Grande nesta quinta-feira (14), para manutenção que estava agendada.

No entanto, a equipe avalia a possibilidade de retornar, caso o militar não seja encontrado. A vítima, que é lotada na 15ª Companhia de Infantaria Motorizada e mora em Marechal Cândido Rondon (PR), fazia patrulhamento fluvial em uma lancha da Polícia Federal com mais dois colegas, quando eles foram atingidos por uma embarcação clandestina lotada de drogas que fugiu do local.

Os colegas do rapaz se feriram, mas foram socorridos. Ele não teve a mesma sorte e é dado como desaparecido. De acordo com o GPA, como o local é de difícil acesso e a vítima pode ter sido levada pela correnteza, aeronaves como o helicóptero Harpia 01 são imprescindíveis nas buscas, pois ampliam a área de cobertura. Do alto, os policiais têm melhor visibilidade, o que aumenta as chances de sucesso.

Ao todo, foram deslocados dois pilotos, dois tripulantes operacionais, um mecânico e um caminhão para abastecimento. Participam também o Exército, a Marinha, a Polícia Federal, Batalhão de Polícia de Fronteira e três helicópteros da Polícia Federal de Brasília (DF).

Devido a grande extensão da área de buscas, as equipes estão empregando os quatro helicópteros, embarcações de diferentes modelos e equipes de mergulho.  A estratégia de busca e salvamento foi planejada na divisão da área de vasculhamento, especificando os locais de mergulho das diversas equipes, que vão desde o ponto da colisão entre as embarcações, até a área do porto São João.

Matéria atualizada às 16h30

Jornal Midiamax