Polícia

Acusado de matar a esposa espancada em cidade de MS tem liberdade negada

Nesta sexta-feira (11), foi divulgada no Diário da Justiça a decisão dos juízes da 3ª Câmara Criminal, de negarem liberdade a Júlio Cavalheiro, de 41 anos. Ele está preso desde o dia 8 de novembro, pelo feminicídio da esposa Suelia Vargas, em Amambai, a 352 quilômetros de Campo Grande. O pedido de habeas corpus foi […]

Renata Portela Publicado em 11/12/2020, às 08h55 - Atualizado às 08h59

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Imagem ilustrativa

Nesta sexta-feira (11), foi divulgada no Diário da Justiça a decisão dos juízes da 3ª Câmara Criminal, de negarem liberdade a Júlio Cavalheiro, de 41 anos. Ele está preso desde o dia 8 de novembro, pelo feminicídio da esposa Suelia Vargas, em Amambai, a 352 quilômetros de Campo Grande.

O pedido de habeas corpus foi feito solicitando substituição da prisão preventiva por medida cautelar diversa, alegando que o acusado integra grupo de risco do coronavírus. Também que não teria sido preenchido requisito de ato praticado com extrema violência. No entanto, os juízes entenderam que trata-se sim de crime de extrema violência, que resultou na morte da vítima.

Além disso, há gravidade na conduta do acusado, que foi casado por mais de 20 anos com a vítima e tinha com ela 5 filhos. Mesmo assim cometeu o feminicídio. A prisão preventiva foi mantida, com negativa do habeas corpus.

Feminicídio

Na noite daquele dia 8 de novembro, vizinhos ouviram os gritos da vítima, como se ela estivesse sofrendo agressões. Momentos depois Suelia foi encontrada morta, com vários hematomas, no rosto.

Ficou evidenciado que ela teria sido espancada até a morte e o marido acabou preso em flagrante, acusado do crime.

Jornal Midiamax