Polícia

Trio suspeito de matar jovem e desovar em esquina é indiciado pela polícia

O trio suspeito de matar Dener de Oliveira Gomes, foi indicado pelo crime de homicídio qualificado pelo motivo fútil, com recurso que dificultou a defesa da vítima. Um dos suspeitos, Lucas dos Santos Batista, 30 anos, está preso porque descumpriu o regime semiaberto. Dário Demétrio dos Santos, 25 anos, foi ouvido e liberado e Marcos André […]

Dayene Paz Publicado em 31/05/2019, às 15h43

Foto: Leonardo de França.
Foto: Leonardo de França. - Foto: Leonardo de França.

O trio suspeito de matar Dener de Oliveira Gomes, foi indicado pelo crime de homicídio qualificado pelo motivo fútil, com recurso que dificultou a defesa da vítima. Um dos suspeitos, Lucas dos Santos Batista, 30 anos, está preso porque descumpriu o regime semiaberto. Dário Demétrio dos Santos, 25 anos, foi ouvido e liberado e Marcos André Malheiros, 36 anos, não foi localizado e é considerado foragido.

Dener de Oliveira Gomes, de 23 anos, teria sido morto com golpes de enxada e chutes. O delegado Sérgio Luiz Duarte, da 2ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande explicou que, com base nos relatos das primeiras testemunhas, a principal hipótese era de crime passional, tendo em vista que Dener estaria se relacionando com a namorada de Lucas enquanto ele estava preso. No entanto, após a prisão de Lucas nesta terça-feira, surgiu a informação de que Dener foi assassinado por outro motivo, que ainda está sendo apurado.

O ex-militar, Lucas, Dário e Marcos, estavam em uma residência na Vila Marli, região da Vila Nasser, quando se desentenderam. Os ânimos se exaltaram e, ao que tudo indica, Lucas, Dário e André passaram a agredir Dener com socos e chutes. A vítima também foi atacada com cabo de enxada e em seguida asfixiada até a morte com um fio.

Após o crime, o trio colocou o corpo em uma lona e o levou a cerca de 110 metros da casa, onde o deixou na rua. O delegado reforçou ainda que a namorada de Lucas foi ouvida e negou ter tido envolvimento com Dener. A mulher de Dário, que estava em outro cômodo da casa com os dois filhos, disse não ter ouvido a discussão.

Lucas diz que não matou a vítima, alegando que os responsáveis pela agressão foram Dário e André. Dário, no entanto, diz que não cometeu o crime, e aponta Lucas e André como autores. O delegado ainda aguarda laudos de corpo de delito, de local de crime, e também o laudo da perícia feita com luminol na casa onde teria acontecido a agressão. A lona e a enxada também estão sendo periciadas.

Jornal Midiamax