Polícia

Trabalhador procura delegacia e diz que foi chamado de ‘macaco da senzala’ por médico do INSS

Um homem de 37 anos procurou a delegacia e fez um boletim de ocorrência por injúria racial contra um médico que atende no INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em Dourados. Na delegacia, o homem contou que as supostas ofensas ocorreram durante atendimento na manhã desta terça-feira (24). Ele disse que questionou o médico após […]

Diego Alves Publicado em 24/12/2019, às 20h27 - Atualizado em 25/12/2019, às 10h46

Prédio do INSS em Dourados (Imagem: Google Street View)
Prédio do INSS em Dourados (Imagem: Google Street View) - Prédio do INSS em Dourados (Imagem: Google Street View)

Um homem de 37 anos procurou a delegacia e fez um boletim de ocorrência por injúria racial contra um médico que atende no INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em Dourados. Na delegacia, o homem contou que as supostas ofensas ocorreram durante atendimento na manhã desta terça-feira (24).

Ele disse que questionou o médico após ser reprovado na perícia médica, quando começou a sofrer injúrias raciais. “Me respeita seu mongoloide, burro, débil mental e macaco da senzala. Você vem da senzala e pensa que tem direito a benefício de aposentadoria”, teria dito o médico.

Ainda segundo do homem de 37 anos, o médico falou que iria mandar prendê-lo por ofensa a funcionário público. Ele também disse na delegacia que ficou quieto e comunicou o fato ao chefe do INSS local.  A assessoria de imprensa do INSS em Mato Grosso do Sul informou que os peritos do órgão agora estão sob hierarquia do Ministério da Economia. A reportagem entrou em contato com o Ministério da Economia e aguarda posicionamento.

O caso foi registrado como injúria qualificada se consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem ou condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência, na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), da cidade.

Jornal Midiamax