Polícia

Pintor que matou ex estrangulada em condomínio é procurado pela polícia

O pintor Fábio Braga do Amaral, 39 anos, que teve a prisão preventiva decretada pela polícia pelo assassinato de Erica Aguilar Pereira de 38 anos, em um condomínio no Jardim Campo Nobre, em Campo Grande, ainda é procurado pela polícia. O advogado do pintor, Amilton Ferreira, disse não ter mais notícias de seu cliente, e […]

Thatiana Melo Publicado em 18/06/2019, às 08h52 - Atualizado às 18h22

Pintor estava trabalhando e morando em Bodoquena. (Foto: Divulgação)
Pintor estava trabalhando e morando em Bodoquena. (Foto: Divulgação) - Pintor estava trabalhando e morando em Bodoquena. (Foto: Divulgação)

O pintor Fábio Braga do Amaral, 39 anos, que teve a prisão preventiva decretada pela polícia pelo assassinato de Erica Aguilar Pereira de 38 anos, em um condomínio no Jardim Campo Nobre, em Campo Grande, ainda é procurado pela polícia.

O advogado do pintor, Amilton Ferreira, disse não ter mais notícias de seu cliente, e que está à espera de contato já que não conseguiu nem marcar com a delegada que cuida do caso, Jennifer Estevam, da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) sobre a sua apresentação.

Laudos preliminares apontaram que Erica não havia sido estuprada, sendo morte por esganadura pelo pintor, que fugiu logo em seguida.

O feminicidio

A filha de Érica, disse à polícia que na data do crime Fábio estaria tranquilo, passou na casa da família, pegou a vítima e os dois filhos dela e deixou eles em um local para lanchar. Ele pagou a conta e depois voltou para buscar os três. A adolescente de 15 anos, entrou com o irmão no quarto para dormir e escutou a mãe e o pintor conversando, mas não ouviu nada suspeito.

Momentos depois, a menina acordou com Fábio só de cueca tentando asfixiá-la com uma espécie de manta. Ela contou que tentou se desvencilhar, momento em que o autor desistiu da ação e pediu para que ela procurasse seu boné.

Ela foi até o quarto e viu a mãe desacordada. Nesse momento Fábio se vestiu e fez sinal para que ela ficasse quieta. A menina então retornou e percebeu que a mãe estava morta. Em seguida, a adolescente ligou para um familiar para pedir ajuda.

Ainda conforme a adolescente, já fazia um tempo que o Fábio e a mãe não se encontravam. A polícia aguarda os laudos e está em busca pelo pintor.

Jornal Midiamax