Polícia

Passageiro que propôs sexo a motorista de aplicativo achou ‘que era tranquilo’

Após assediar uma motorista de aplicativo durante a madrugada do dia 27 de outubro, em Campo Grande, prestou depoimento no dia 19 de novembro, na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), em Campo Grande, para esclarecer os fatos. Segundo o depoimento do passageiro, ele não tinja a intenção de humilhar ou constranger a motorista […]

Thatiana Melo Publicado em 25/11/2019, às 10h53 - Atualizado às 11h04

Motorista parou o carro e mandou passageiro descer (Henrique Arakaki, Midiamax)
Motorista parou o carro e mandou passageiro descer (Henrique Arakaki, Midiamax) - Motorista parou o carro e mandou passageiro descer (Henrique Arakaki, Midiamax)

Após assediar uma motorista de aplicativo durante a madrugada do dia 27 de outubro, em Campo Grande, prestou depoimento no dia 19 de novembro, na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), em Campo Grande, para esclarecer os fatos.

Segundo o depoimento do passageiro, ele não tinja a intenção de humilhar ou constranger a motorista de aplicativo. Ele disse que estava na casa de amigos no bairro Carandá Bosque quando fez a solicitação da corrida, e durante o trajeto passaram a conversar e teria sentido receptividade da vítima.

Sendo que neste meio tempo teria dito a motorista, “o que você acha da gente transar aqui?”, momento em que a motorista não teria gostado da proposta feito pelo passageiro. Ele negou que tenha tentado tirar a roupa dentro do carro. Segundo a delegada Sueili Araújo, dependendo da cantada e da situação, pode ser enquadrado como abuso sexual. O homem foi ouvido e liberado.

O fato aconteceu no dia 27 de outubro, e segundo a motorista, o autor tinha como destino o Bairro Piratininga e quando entrou no carro disse para a motorista que tinha problemas e abaixou a cabeça. A motorista perguntou se ele estava bêbado, se estava passando mal e também se precisava de alguma coisa ou que ela parasse.

Ele não respondeu, mas depois começou a conversar normalmente com a vítima. Em determinado momento ele passou a fazer elogios para a mulher e depois pedia desculpas dizendo que estava se excedendo. Ele chegou a perguntar se a vítima era solteira e ela parou de responder. O rapaz disse que estava indo para casa no Bairro Piratininga. Quando a motorista estava nas proximidades da Avenida Fernando Correa, em um local um pouco ermo, o passageiro teria dito para ela encostar o carro. “Encosta o carro e vamos transar”, conforme as palavras do suspeito para a vítima.

A mulher ainda revelou que o passageiro já tinha tentado tirar a roupa em determinado momento. Após a ameaça ela acelerou e parou em um posto, exigindo que ele descesse e encerrando a corrida. Ela contou que estava atordoada e nem conseguiu contar para os frentistas do posto o que tinha acontecido.

Jornal Midiamax