Polícia

Operação Ormetà: além de 13 prisões preventivas, dez foram presos temporariamente

Atualizada para acréscimo de informações às 21h11 de 27/09/2019 Além do cumprimento de 13 mandados de prisão preventiva, a polícia realizou nesta sexta-feira (27) outras dez prisões temporárias durante a Operação Ormetà, em Mato Grosso do Sul. Ao todo, 23 pessoas foram presas até o momento, entre elas empresários, policias civis, guardas municipais, militar da […]

Dayene Paz Publicado em 27/09/2019, às 18h26 - Atualizado em 30/09/2019, às 08h23

(Henrique Arakaki, Midiamax)
(Henrique Arakaki, Midiamax) - (Henrique Arakaki, Midiamax)

Atualizada para acréscimo de informações às 21h11 de 27/09/2019

Além do cumprimento de 13 mandados de prisão preventiva, a polícia realizou nesta sexta-feira (27) outras dez prisões temporárias durante a Operação Ormetà, em Mato Grosso do Sul. Ao todo, 23 pessoas foram presas até o momento, entre elas empresários, policias civis, guardas municipais, militar da reserva do Exército, e um policial federal aposentado.

Com os investigados foram apreendidas armas de fogo, munições, aparelhos celulares (inclusive aqueles conhecidos popularmente como ‘bombinhas), computadores, documentos e aproximadamente R$ 160 mil em dinheiro, além de cheques em nome de terceiros.

O policial federal preso nesta sexta-feira teve seu mandado cumprido pela Polícia Federal em Bonito. Quanto aos policiais civis da ativa, a DGPC (Delegacia-Geral da Polícia Civil) afirmou que foi determinada à Corregedoria-Geral a instauração do competente procedimento policial para apuração dos fatos que lhes foram imputados.

O Jornal Midiamax divulgou o nome dos 13 investigados que tiveram mandados de prisão cumpridos na Ormetà.

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), o Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros), com o apoio dos Batalhões de Choque e o Bope (Batalhão de Operações Especiais) da Polícia Militar, deflagraram nesta sexta-feira (27), a Operação Omertà, com a finalidade de dar cumprimento à 13 mandados de prisão preventiva, 10 de prisão temporária e 21 mandados de busca e apreensão, nas cidades de Campo Grande e Bonito.

A Operação Omertà tem como foco uma organização criminosa voltada à prática dos crimes de milícia armada, porte ilegal de armas de fogos de uso restrito, homicídio, corrupção ativa e passiva, entre outros crimes.

As investigações do Gaeco tiveram início em abril deste ano, com o objetivo de apoiar as investigações dos homicídios de Ilson Martins Figueiredo, Orlando da Silva Fernandes e Matheus Coutinho Xavier, conduzidas pelo Garras desde 26 de abril de 2019.

Desde então, as equipes do Gaeco e do Garras desenvolvem trabalho conjunto, o que propiciou, já em 19 de maio de 2019, a prisão de um dos integrantes da organização criminosa em poder de parte do armamento pertencente à mesma, sendo 02 fuzis AK 47; 04 fuzis 556; 11 pistolas 9mm, dentre outros. As diligências que culminaram no encontro do armamento e prisão do membro da organização responsável pela sua custódia e administração contaram também com o apoio do Batalhão de Choque.

Decretada prisão preventiva de:

Alcinei Arantes da Silva;

Andrison Correia;

Eltom Pedro de Almeida;

Flávio Narciso Morais da Silva:

Jamil Name:

Jamil Name Filho;

José Moreira Freires;

Juanil Miranda Lima;

Marcelo Rios;

Márcio Cavalcanti da Silva;

Rafael Antunes Vieira;

Robert Vítor Kopetski

Vladenilson Daniel Olmedo;

Decretação de prisão temporária de:

Alexandre Gonçalves Franzoloso:

Elvis Elir Camargo Lima;

Eronaldo Vieira da Silva;

Euzébio de Jesus Araújo;

Everaldo Monteiro de Assis;

Frederico Maldonado Arruda;

Igor Cunha de Souza;

Luis Fernando da Fonseca;

Rafael Carmo Peixoto Ribeiro;

Rudney Machado Medeiros;

Jornal Midiamax