Polícia

Motorista morto após corrida de R$ 8 fazia ‘bico’ para comprar casa

Rafael Baron e a esposa, Carine Pereira Baron, moravam há cerca de dois anos em Campo Grande, depois de não se adaptarem com a cidade de Curitiba, no Paraná. Já na Capital de Mato Grosso do Sul, depois de conseguir tocar o próprio negócio, Rafael sonhava em comprar a casa própria. O sonho do jovem […]

Dayene Paz Publicado em 14/05/2019, às 18h41 - Atualizado em 15/05/2019, às 10h23

Foto: Divulgação Facebook.
Foto: Divulgação Facebook. - Foto: Divulgação Facebook.

Rafael Baron e a esposa, Carine Pereira Baron, moravam há cerca de dois anos em Campo Grande, depois de não se adaptarem com a cidade de Curitiba, no Paraná. Já na Capital de Mato Grosso do Sul, depois de conseguir tocar o próprio negócio, Rafael sonhava em comprar a casa própria.

O sonho do jovem de 24 anos foi interrompido na noite desta segunda-feira (13). A corrida para um condomínio do Jardim Campo Nobre ficará marcada para a família e amigos, que estão em choque. “Até agora a ficha não caiu, parece que estamos vivendo um pesadelo que não acaba nunca”, informou a amiga, Idalina Pereira da Silva.

Após chegar em Campo Grande, Rafael, a esposa e o filho de dois anos de idade moravam com a mãe de Carine, Brandina Lopes. Depois, o negócio próprio na avenida Rachel de Queiroz, no bairro Aero Rancho, fez dele um empresário conhecido na região.

“Um rapaz tranquilo, de família, reservado e muito quieto”, definiu Idalina. Fato esse também que levantou questionamentos dos familiares. “Surpresa de saber que ele estava puxando assunto com as pessoas, ele era muito reservado”, afirmou a sogra Brandina.

Para juntar uma grana a mais e comprar a casa própria, Rafael começou a trabalhar como motorista de aplicativo, há cerca de uma semana. No veículo Gol que ele alugou, fazia as corridas durante o período da manhã. No entanto, há três dias decidiu trabalhar à noite. “A gente avisou para ele que era muito perigoso sair à noite”, lamenta Brandina.

Entre tantos sonhos, Rafael também queria morar fora do país. “Ele falava muito bem inglês e espanhol, queria viver fora do país. É impossível acreditar que alguém pode morrer dessa forma”, lamentou a sogra.

Em Campo Grande, o velório acontecerá na igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, localizada na avenida Marechal Deodoro, 1735. Depois, o corpo será levado para o Paraná, onde a família de Rafael mora.

Rafael Baron, 24 anos, foi assassinado porque puxou conversa com uma passageira, na noite desta segunda-feira. Igor Cesar de Lima Oliveira, foi apontado como autor dos disparos. Ele é evadido do sistema penal, tem diversas passagens na polícia e segue foragido.

Jornal Midiamax