Polícia

Justiça quebra sigilo de guardas municipais presos após flagra de arsenal

A Justiça autorizou a quebra do sigilo telefônico dos outros dois guardas municipais presos desde a última terça-feira (28) após o flagra do arsenal encontrado no dia 19 de maio, em uma casa no bairro Monte Líbano, em Campo Grande. A autorização dada pela Justiça foi publicada nesta quarta-feira (29), quando a juíza de direito, […]

Thatiana Melo Publicado em 30/05/2019, às 08h59 - Atualizado às 17h41

None

A Justiça autorizou a quebra do sigilo telefônico dos outros dois guardas municipais presos desde a última terça-feira (28) após o flagra do arsenal encontrado no dia 19 de maio, em uma casa no bairro Monte Líbano, em Campo Grande.

A autorização dada pela Justiça foi publicada nesta quarta-feira (29), quando a juíza de direito, Eucelia Moreira, afirmou que a autoridade policial temo dever de apreender os objetos que tiveram relação com o fato criminoso e realizar as perícias necessárias.

A juíza ainda cita que a quebra do sigilo está regulamentada na lei 9.296/96, que trata das interceptações das comunicações telefônicas e do fluxo de comunicações em sistemas de informáticas e telemáticas.

Na terça-feira (28), os três guardas já estavam no Centro de Triagem de Campo Grande. Os dois colegas de Marcelo Rios, preso desde o da 19 deste mês, estavam coagindo testemunhas do caso. Segundo testemunhas ouvidas na investigação sobre a origem e uso do armamento, o grupo atuaria prestando serviços de escolta e ‘serviços de segurança’. Uma das suspeitas é de que as armas estariam ligadas a recentes crimes de pistolagem em Mato Grosso do Sul. Outros dois guardas municipais foram presos, na última quinta-feira (23) por obstrução da Justiça. Eles estavam coagindo testemunhas do caso.

Foi determinado a instauração de procedimento administrativo contra Rafael Antunes Vieira e Robert Vitor Kopeskipara apurar irregularidades funcionais cometidas pelos servidores. No dia 22 deste mês, foi determinado a instauração de um PAD (Procedimento Administrativo) contra Marcelo Rios. A determinação do PAD foi publicada no Diário Oficial, sendo assinado pelo Secretário Especial de Segurança e Defesa Social, Valério Azambuja, que determinou que sejam apuradas as irregularidades funcionais cometidas pelo servidor. Com o fim do processo administrativo o guarda municipal deverá ser demitido.

Marcelo foi preso ao ser abordado por policiais do Garras na rua Rodolfo José Pinho. Com ele, os agentes encontraram pistola e munições.

Já em uma casa, no bairro Monte Líbano, foi encontrado um arsenal de grosso calibre avaliado em mais de R$ 200 mil. Ao todo, foram encontradas quatro carabinas 556, 11 pistolas nove milímetros, uma arma calibre 12, outra arma longa calibre.22, um revólver 357, quatro pistolas .40, um calibre 380, uma pistola calibre 22, além dos dois fuzis AK47 e equipamentos.

Jornal Midiamax