Polícia

Depois de matar com 4 tiros, assassino toma banho e vai dormir

Foi a julgamento na manhã desta quarta-feira (27), Maisson Vinicius Vitório Costa pelo assassinato de Pedro Paulo Ferreira da Silva, de 23 anos, no Jardim Itamaracá, em Campo Grande, em fevereiro de 2018. Durante seu depoimento, Maisson contou que após matar com quatro tiros Pedro foi para sua casa, tomou banho, assistiu televisão e foi dormir. […]

Thatiana Melo Publicado em 27/03/2019, às 10h03 - Atualizado às 18h21

Maisson que está a esquerda foi julgado por homicídio e o primo, ao lado, por porte de arma (Foto: Minamar Júnior)
Maisson que está a esquerda foi julgado por homicídio e o primo, ao lado, por porte de arma (Foto: Minamar Júnior) - Maisson que está a esquerda foi julgado por homicídio e o primo, ao lado, por porte de arma (Foto: Minamar Júnior)

Foi a julgamento na manhã desta quarta-feira (27), Maisson Vinicius Vitório Costa pelo assassinato de Pedro Paulo Ferreira da Silva, de 23 anos, no Jardim Itamaracá, em Campo Grande, em fevereiro de 2018.

Durante seu depoimento, Maisson contou que após matar com quatro tiros Pedro foi para sua casa, tomou banho, assistiu televisão e foi dormir. O crime aconteceu depois da vítima mexer com a namorada de um amigo, segundo o acusado. Ele teria ido tirar satisfação.

No dia do crime, Maisson conta que estava voltando para casa depois de sair da residência da namorada e encontrou Pedro deitado em um mato, na esquina de sua casa. Eles começaram a discutir e como revólver que comprou por R$ 1.700 deu quatro tiros na vítima, sendo que um atingiu a cabeça e outro a axila.

Dias antes do crime, os dois haviam brigado quando Maisson foi tirar satisfação com Pedro, que supostamente tinha mexido com a namorada de um amigo. A arma do crime foi comprada por ele que disse sofrer ameaças de várias pessoas na região. Ele é julgado pelo crime de homicídio. O primo de Maisson é julgado por porte ilegal de arma, depois de esconder o revólver após o assassinato.

Jornal Midiamax