Polícia

Depac Centro e Gerência da Guarda podem ser instaladas na rodoviária velha

O prédio da rodoviária velha, localizado no centro de Campo Grande, poderá abrigar a Gerência Operacional da Guarda Civil Municipal e a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), que atualmente está instalada na Rua Padre João Crippa. A proposta está sendo discutida pelo município e Governo do Estado. A Sesdes (Secretaria Municipal Especial de Segurança […]

Renan Nucci Publicado em 26/11/2019, às 15h32 - Atualizado em 27/11/2019, às 09h05

Estação Rodoviária Heitor Eduardo Laburu, mais conhecida como rodoviária velha. (Foto: Leonardo de França, Midiamax)
Estação Rodoviária Heitor Eduardo Laburu, mais conhecida como rodoviária velha. (Foto: Leonardo de França, Midiamax) - Estação Rodoviária Heitor Eduardo Laburu, mais conhecida como rodoviária velha. (Foto: Leonardo de França, Midiamax)

O prédio da rodoviária velha, localizado no centro de Campo Grande, poderá abrigar a Gerência Operacional da Guarda Civil Municipal e a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), que atualmente está instalada na Rua Padre João Crippa. A proposta está sendo discutida pelo município e Governo do Estado.

A Sesdes (Secretaria Municipal Especial de Segurança e Defesa Social), a Segov (Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica do Mato Grosso do Sul) e a Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública) iniciaram tratativas para realização do projeto. Só para a Depac Centro seria destinada uma área de 250 a 300 metros quadrados

Junto com a Gerência da Guarda, o objetivo é facilitar acesso às unidades, bem como fortalecer a segurança no bairro Amambai, que sofre com a presença de usuários e traficantes nas cracolândias da região. Tal cenário atualmente compromete o comércio, pois afasta consumidores, que temem serem vítimas de roubos e furtos.

A expectativa é de que, caso o acordo seja executado, a obra levará de 12 a 18 meses. “Com certeza a instalação da Depac Centro e GCM na antiga rodoviária irá trazer mais segurança permanente ao espaço revitalizado, além do entorno. Também irá facilitar os trabalhos da guarda civil Metropolitana que possui estreita relação institucional com a Polícia Civil. Toda ocorrência policial atendida pela GCM é encaminhada para a polícia judiciária estadual”, afirmou o secretário Valério Azambuja, da Sesdes.

A Guarda tem um núcleo que opera de forma precária no local. Neste sentido, a reforma facilitaria o trabalho das equipes operacionais.

Jornal Midiamax