Polícia

Casa abandonada onde catador de latinhas queimado vivo dormia é incendiada

A casa abandonada onde o catador de latinhas, Roberto Pedro da Silva, de 46 anos, foi queimado vivo acabou sendo incendiada nesta quinta-feira (4), em Três Lagoas –a 338 quilômetros de Campo Grande. Roberto teve 45% do corpo queimado. A casa teve um dos cômodos destruídos, roupas, móveis e objetos pessoais foram incendiados. Roberto chegou […]

Thatiana Melo Publicado em 05/04/2019, às 07h23 - Atualizado às 14h43

None

A casa abandonada onde o catador de latinhas, Roberto Pedro da Silva, de 46 anos, foi queimado vivo acabou sendo incendiada nesta quinta-feira (4), em Três Lagoas –a 338 quilômetros de Campo Grande. Roberto teve 45% do corpo queimado.

A casa teve um dos cômodos destruídos, roupas, móveis e objetos pessoais foram incendiados. Roberto chegou a prestar depoimento quando estava internado no hospital de Três Lagoas, dizendo não saber quem seria o autor do crime.

Moradores da região chamaram o Corpo de Bombeiros quando a casa foi incendiada. Segundo o site JP News, não se sabe quem teria colocado fogo na residência.

Prisão de suspeita

Uma mulher de 34 anos foi presa suspeita de ter incendiado o morador de rua Roberto Pedro da Silva, de 46 anos, nesta quarta-feira (03) em Três Lagoas – a 338 quilômetros de Campo Grande. De acordo com o site JPNews, o marido dela, que não foi encontrado, também é suspeito de cometer o crime. Ela negou a autoria do crime.

O caso

Roberto teve o corpo queimado durante a madrugada desta quarta enquanto dormia em uma obra abandonada em Três Lagoas.

O crime aconteceu por volta da 00:20 desta quarta (3), quando o morador que junta materiais recicláveis para sobreviver, teria parado em uma obra abandonada, no bairro Carioca para dormir.

A vítima foi socorrida e levada para um hospital da cidade. Ele teve 45% do corpo queimado, tórax, costas, abdômen e rosto, e está internado. Segundo informações, ele não corre risco de morte.  Ele teve queimaduras de 2º grau. Não se sabe sobre a autoria do crime.

Jornal Midiamax