Polícia

Cachorrinha desaparecida por quase um mês é recuperada por policiais

Nesta sexta-feira (2), uma história triste terminou com um final feliz para a família de Sirlene Pessoa, de 45 anos que perdeu sua cadelinha de três meses no mês passado. O animal foi entregue para a dona na 5° DP após investigadores do SIG (Serviço de Investigações Gerais) terem recuperado em uma casa próxima aonde […]

Vinícius Costa Publicado em 02/08/2019, às 11h48 - Atualizado às 12h43

(Marcos Ermínio, Midiamax)
(Marcos Ermínio, Midiamax) - (Marcos Ermínio, Midiamax)

Nesta sexta-feira (2), uma história triste terminou com um final feliz para a família de Sirlene Pessoa, de 45 anos que perdeu sua cadelinha de três meses no mês passado. O animal foi entregue para a dona na 5° DP após investigadores do SIG (Serviço de Investigações Gerais) terem recuperado em uma casa próxima aonde ela teria sumido.

O sumiço da Mel, como era chamada pela família, deixou os filhos de Sirlene, uma menina de 9 anos e um menino de 7 anos, tristes e com noites sem dormir. A mulher contou que após esse dia, decidiu fazer um ‘post’ em uma rede social pedindo ajuda para seus amigos que caso vissem a cadelinha, indicassem aonde teriam visto para ela poder resgatar.

A boa notícia veio quando uma conhecida de Sirlene foi até a sua casa, no bairro Guanandi, na última segunda-feira (29) informando que tinha visto a Mel em uma casa a três quadras abaixo de sua residência.

A dona decidiu ir até o imóvel onde estava a cadelinha e ao reconhecer o animal, decidiu chamá-la para ver se era ela mesmo e ao obter a resposta, viu Mel caminhando para sua direção. Sirlene resolveu pedir para que o homem, de aproximadamente 20 anos, que estava cuidando da cadela entregasse ela de volta, mas ele teria recusado alegando que sua sogra teria encontrado na rua e dado para ele.

A mulher decidiu então ligar para a polícia. Os investigadores conversaram com a mulher e com o rapaz e conseguiram recuperar o animal de estimação, levando-o para a delegacia. De acordo com a polícia, tanto a mulher como o homem podem responder por crime de apropriação de coisa achada.

Jornal Midiamax