Polícia

Bope vai ao IFMS da Capital após ameaça anônima de ataque

O Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) PMMS foi ao IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul) nesta quarta-feira (27) após uma suposta ameaça anônima a alunos em uma página do Facebook intitulada de Segredos do IFMS. O prédio da instituição fica localizado na Rua Taquari no Bairro Santo Antônio. De acordo com a […]

Diego Alves Publicado em 27/03/2019, às 21h16 - Atualizado em 28/03/2019, às 10h49

Arquivo
Arquivo - Arquivo

O Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) PMMS foi ao IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul) nesta quarta-feira (27) após uma suposta ameaça anônima a alunos em uma página do Facebook intitulada de Segredos do IFMS. O prédio da instituição fica localizado na Rua Taquari no Bairro Santo Antônio.

De acordo com a polícia, foi colhido dados e houve conversa com responsáveis  da instituição. Foi feita uma ação de presença no local e agora as investigações ficam a cargo da Polícia Judiciária, informou o Bope.

Caso

Segundo a delegada Cristiane Grossi, o diretor do Campus em Campo Grande, procurou a 7ª Delegacia de Polícia Civil para registrar um boletim de ocorrência.

Ainda, de acordo com a delegada, o diretor afirmou que as ameaças foram feitas em uma página do Facebook e que os pais dos alunos teriam ficado apavorados com toda a situação.

Conforme as informações apuradas pelo Jornal Midiamax, a mensagem postada na página Segredos do IFMS, dizia: ‘Amanhã eu mato todo mundo que me fez mal nessa escola’. Vale lembrar que as postagens são feitas de forma anônima, o internauta envia o conteúdo para o administrador da página, que publica sem assinatura.

A delegada confirmou que a segurança na unidade seria reforçada e afirmou que existe a possibilidade de ser apenas uma brincadeira de mau gosto. “Pode ser alguém fazendo graça, ou pode ser uma ameaça concreta, de qualquer maneira vamos investigar”, explicou.

Na tarde desta quarta-feira (27), a direção-geral do Campus Campo Grande do Instituto, publicou um comunicado onde diz que não houve nenhuma notificação formal sobre as possíveis ameaças, e que no local são tomadas todas as medidas para garantir segurança aos alunos e funcionários.

Confira o comunicado na íntegra

À comunidade escolar:

A Direção-Geral e demais setores da instituição não foram formalmente notificados por nenhum estudante, pais ou membro da comunidade acadêmica sobre as supostas ameaças veiculadas na notícia em questão.

O campus possui, em seu quadro de pessoal, psicólogos, enfermeiros e assistentes sociais que prestam atendimento psicossocial a estudantes e servidores.

Estes profissionais realizam uma série de ações, durante o ano letivo, que buscam abordar temas relacionados à saúde mental e o bem-estar de todos os membros da comunidade do campus.

O acesso ao Campus Campo Grande do IFMS é concedido apenas a pessoas identificadas: os estudantes são uniformizados e possuem crachás de identificação; os visitantes a pé passam por uma guarita de pedestre com porteiro. A entrada pela guarita de veículos é controlada por vigilantes que só autorizam a entrada de servidores, estudantes, pais de estudantes, veículos oficiais do IF e empresas terceirizadas previamente autorizadas.

O campus possui vigilância armada ininterrupta, que é responsável pela permissão de acesso e permanência de estudantes, servidores e visitantes em todas as dependências do IFMS.

O campus encaminhou, na semana passada, um novo ofício à Polícia Militar solicitando ronda nas imediações do campus, como forma de prevenir roubos, furtos e demais atos criminosos.

A gestão do campus está em contato com os órgãos de segurança, a fim de colaborar com informações que subsidiarão as investigações pelos setores de inteligência das Policias Civil e Militar.

As atividades do campus permanecem normalmente.

A Direção-Geral reafirma seu compromisso com o bem-estar físico e mental de toda a comunidade e coloca-se à disposição para atendimento de estudantes, servidores e familiares, bem como para prestar esclarecimentos que porventura se fizerem necessários.(Com informações de Ana Paula Chuva e Dayene Paz)

Jornal Midiamax