Polícia

VÍDEO: bandidos invadem casa de médico e fazem churrasco com carne roubada

Igor da Silva Camargo, de 23 anos, conhecido como ‘Brinquedo ou carequinha’; Gislaine Santos do Nascimento, de 24 anos, conhecida como ‘Nani’, e Ricardo Alves Santana de 29 anos, conhecido como ‘Baiano’ foram presos nesta segunda-feira (23) por equipes da Derf (Delegacia de Roubos e Furtos) suspeitos de participar do assalto à casa de um […]

Thatiana Melo Publicado em 24/07/2018, às 11h16 - Atualizado em 25/07/2018, às 08h08

None

Igor da Silva Camargo, de 23 anos, conhecido como ‘Brinquedo ou carequinha’; Gislaine Santos do Nascimento, de 24 anos, conhecida como ‘Nani’, e Ricardo Alves Santana de 29 anos, conhecido como ‘Baiano’ foram presos nesta segunda-feira (23) por equipes da Derf (Delegacia de Roubos e Furtos) suspeitos de participar do assalto à casa de um médico no último sábado (21), no Jardim Nascente, em Campo Grande. Uma adolescente de 17 anos foi apreendida e um dos integrantes do bando, identificado como Douglas Vicente Moreira, de 19 anos, conhecido como ‘GTA’, está foragido.

De acordo com o delegado Rodrigo Yassaka, o grupo estava em uma festa durante toda a madrugada de sábado (21) e, quando as bebidas acabaram, resolveu sair para cometer roubos e comprar mais bebidas.VÍDEO: bandidos invadem casa de médico e fazem churrasco com carne roubada

O assalto à casa do médico aconteceu entre as 10 e 11 horas do sábado, quando a vítima estava com o portão aberto conversando com um amigo na frente da residência.

O grupo, que estava usando um veículo Fiat Uno Vivace alugado por Ricardo para trabalhar como motorista de aplicativo, passou em frente à casa e, ao ver o portão aberto, decidiu fazer o assalto. Dois dos integrantes desceram e, armados com uma pistola, anunciaram o assalto.

Todos que estavam na casa foram trancados em um cômodo e o grupo levou duas televisões, dinheiro, bebidas e 20 quilos de carne, costela, que segundos autores s usaram para fazer um churrasco após o crime.

A polícia conseguiu chegar aos bandidos através de imagens de câmeras de segurança. Na delegacia, Ricardo tentou se passar por vítima dizendo que estava trabalhando como motorista de aplicativo quando foi rendido pelo grupo, que o fez dirigir para que cometessem os crimes.

Ricardo acabou confessando depois que participou do assalto e acabou entregando o restante do grupo. O delegado Rodrigo disse que outros assaltos com o mesmo modus operandi já aconteceram em Campo Grande, e a polícia deve investigar se o grupo seria responsável pelos outros crimes.

Jornal Midiamax