Polícia

Engenheiro da prefeitura investigado por cobrar propina é preso por ‘gato’ de energia

Um engenheiro, servidor da prefeitura de Corumbá, cidade a 444 quilômetros de Campo Grande, foi preso em flagrante por furto de energia durante a tarde desta quinta-feira (01). O funcionário público, investigado na Operação “Torre de Babel”, foi preso no momento em que a polícia cumpria um mandado de busca e apreensão em sua casa. […]

Diego Alves Publicado em 01/11/2018, às 21h05 - Atualizado em 02/11/2018, às 11h31

None

Um engenheiro, servidor da prefeitura de Corumbá, cidade a 444 quilômetros de Campo Grande, foi preso em flagrante por furto de energia durante a tarde desta quinta-feira (01).

O funcionário público, investigado na Operação “Torre de Babel”, foi preso no momento em que a polícia cumpria um mandado de busca e apreensão em sua casa. A operação foi deflagrada por policiais da Primeira Delegacia da cidade.

Ele é investigado por suspeita de cobrar propina para acelerar processos de obras que dependem de autorização da prefeitura.

De acordo com o site Diário Corumbaense, os valores variavam entre R$ 1,5 mil e R$ 2 mil por processo. O engenheiro também é investigado por deixar de cobrar valores do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) a alguns contribuintes.

Após o “gato” ser constatado, uma equipe da concessionária Energisa foi ao local.  A prefeitura se manifestou a respeito do caso e emitiu uma nota. Leia:

A Prefeitura de Corumbá abrirá sindicância para apurar a conduta do servidor municipal investigado pela Polícia Civil por corrupção passiva e furto de energia. Todas as medidas legais estão sendo tomadas no sentido de resguardar o Município e o erário público.

A Administração municipal reforça que não compactua, não admite e abomina qualquer prática ilegal em todas as suas secretarias, fundações e autarquias. A TRANSPARÊNCIA e o RESPEITO AO CIDADÃO tem sido as marcas desta gestão e não podem, jamais, serem manchadas pela conduta de um ou alguns funcionários.

A Prefeitura reforça ainda que todo e qualquer munícipe que tenha sido lesado pelos crimes mencionados na investigação devem procurar o responsável pelo Centro de Atendimento ao Cidadão (CAC) para que sejam aplicadas todas as medidas pertinentes. 

Jornal Midiamax