Polícia

Policial civil preso em operação contra pedofilia volta ao cargo após ganhar liberdade

O policial civil preso durante a operação Luz da Infância, deflagrada no dia 17 de maio, foi reconduzido ao cargo de ser afastado no dia 22. A decisão de recondução ao cargo foi publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (4). Preso em flagrante com imagens de pornografia infantil, o investigador, que é lotado na Depac […]

Thatiana Melo Publicado em 04/06/2018, às 13h33 - Atualizado em 05/06/2018, às 19h29

None

O policial civil preso durante a operação Luz da Infância, deflagrada no dia 17 de maio, foi reconduzido ao cargo de ser afastado no dia 22. A decisão de recondução ao cargo foi publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (4).

Preso em flagrante com imagens de pornografia infantil, o investigador, que é lotado na Depac Centro, teve a prisão preventiva decretada pela Justiça.

Com a recondução ao cargo devem ser devolvidas ao investigador sua arma, sua carteira funcional e as senhas para acesso aos bancos de dados da instituição policial.

Operação

A operação Luz na Infância 2 cumpriu em todo o Estado nove mandados de busca e apreensão. Na Capital, equipes do Garras (Grupo Armado de Resgate e Repressão a Assaltos e Sequestros) cumpriram cinco mandados. A segunda fase da Operação Luz da Infância contou com a participação de 2,6 mil policiais civis em todo o país.

A ação aconteceu também em Naviraí, Glória de Dourados e Dourados, onde computadores com vídeos e fotos pornográficas com crianças e adolescentes foram apreendidos em uma casa. Um homem identificado como ‘Tony’ foi preso.

Primeira fase da operação

Em 2017 durante a primeira fase da operação deflagrada na Capital, um advogado de 64 anos e um vendedor de carros de 27 anos foram presos. Três mandados foram cumpridos na Capital, mas apenas duas prisões foram feitas. A Operação aconteceu em todo o Brasil com o objetivo apreender computadores e dispositivos que continham o armazenamento de imagens e vídeos contendo crianças.

Jornal Midiamax