Polícia

Paraguaios revidam execução de policial brasileiro e estouram ‘beneficiadora’ de maconha

Apreenderam 7 toneladas de droga e equipamentos para 'prensar'

Diego Alves Publicado em 08/03/2018, às 22h33

None

Apreenderam 7 toneladas de droga e equipamentos para ‘prensar’

Pelo menos do lado paraguaio, a execução do policial civil brasileiro Wescley Vasconcelos, em Ponta Porã, no último dia 6, já causou reação por parte das autoridades que combatem o narcotráfico. Nesta quinta-feira (8), uma ‘beneficiadora’ de maconha, que preparava a droga para ser vendida, foi estourada em Bella Vista Norte, na região de fronteira com Mato Grosso do Sul.

Na ação, a Polícia Nacional do Paraguai e agentes da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) apreenderam 7 toneladas de maconha que já estavam prontas para serem prensadas e embaladas, além de prensas hidráulicas, empacotadeiras e bolsas da droga in natura. A ‘empresa’ do narcotráfico fica a poucos quilômetros da divisa com a cidade sul-mato-grossense de Bela Vista, a 324 quilômetros de Campo Grande.

A estrutura industrial estava cercada por plantações de maconha e acampamentos. Três pessoas foram presas.

Enquanto isso, em Mato Grosso do Sul voltaram a circular áudios com supostas ameaças contra policiais, e os servidores da segurança pública sul-mato-grossense confirmam o clima de apreensão, sobretudo para quem atua na faixa de fronteira.

Ainda não foi anuncioado oficialmente se há um plano específico de atuação por parte da Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública) após a morte de Wescley Vasconcelos, executado com mais de 30 disparos de fuzil AK 47 e fuzil 7.62, em Ponta Porã.

Em outro ataque um policial paraguaio ficou ferido durante o confronto com pistoleiros na cidade de Capitán Bado.

Jornal Midiamax