Polícia

Acusado de execução após ‘tribunal do crime’ é condenado a 22 anos de prisão

Execução foi filmada

Clayton Neves Publicado em 12/07/2018, às 21h56

Foto: Mariana Rodrigues
Foto: Mariana Rodrigues - Foto: Mariana Rodrigues

Acusado da morte de Richard Alexandre Lianho, de 25 anos, Rafael da Silva Duarte, de 23, foi condenado a 22 anos e 9 meses de reclusão, 1 ano de detenção e ao pagamento de multa pelos crimes de homicídio qualificado, ocultação de cadáver, posse ilegal e adulteração de arma de fogo e organização criminosa.

Richard foi morto em fevereiro de 2017 a mando de Leandro de Oliveira, de 26 anos, e seu corpo encontrado na Cachoeira do Céuzinho. A execução, ligada a disputa de facções criminosas, foi gravada e as imagens compartilhada nas redes sociais.

Acusado de execução após ‘tribunal do crime’ é condenado a 22 anos de prisão
Foto: Arquivo

A sentença foi dada nesta quinta-feira (12) após julgamento conduzido pela 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande.  Pelo crime de homicídio qualificado a pena foi de 12 anos reclusão, além de 1 ano e 10 dias-multa pela ocultação do cadáver. O réu foi ainda condenado a um ano de detenção e 10 dias-multa por posse ilegal de arma de fogo, 3 anos de reclusão e 10 dias-multa pela adulteração do revólver e, por fim, 6 anos e 9 meses de reclusão por associação criminosa.

A execução de Richard Alexandre teria sido motivada pelo envolvimento dele com Naiara, que seria namorada de Leandro de Oliveira, de 26 anos, conhecido como HB20, que seriam de facções rivais.

Em depoimento Rafael negou qualquer envolvimento com o crime, e disse que apenas teria guardado as armas e facas a pedidos dos adolescentes que teriam participação na execução.

Execução de Richard

Richard Alexandre foi morto em fevereiro de 2017, e seu corpo encontrado na Cachoeira do Céuzinho. A execução foi gravada e compartilhada nas redes sociais. Nas imagens gravadas do crime, Richard, dá um aviso para quem faz parte da facção rival CV (Comando Vermelho), “ pra todo mundo, todo o CV que está aí, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, na penitenciária aí, na rua, pra sair tudo jogado que o que está acontecendo comigo pode acontecer como você também”.

São 74 segundos de gravação. Com as mãos amarradas, Richard, vestindo uma camisa azul faz a afirmação já citada, e na sequência, os homens que o seguram disparam pelo menos 4 tiros. Eles chutam o corpo caído e um dos homens aparecem cortando os braços com uma faca.

Morte de HB20

Leandro de Oliveira, de 26 anos, foi encontrado morto e carbonizado no aterro sanitário de Campo Grande, no Jardim Noroeste, também em fevereiro de 2017.

Tiago Maurício de Andrade, de 27 anos, o ‘Tinga’, foi preso e confessou o crime. Ele revelou ter matado Leandro com pedradas e depois que a vítima já havia morrido, colocou o corpo embaixo de um colchão e pneus e ateou fogo. Para a polícia, ele disse apenas que tinha uma briga antiga com Leandro e, por isso, cometeu o crime. A investigação, no entanto, aponta que o caso está ligado com vingança e guerra entre facções criminosas.

Jornal Midiamax