Polícia

Suspeito de despejo irregular de agrotóxico é preso por esconder aviões

Aeronaves haviam sido apreendidas

Midiamax Publicado em 11/04/2017, às 19h13

None
17886770_10213072231144989_1945575042_o.jpg

Aeronaves haviam sido apreendidas

Um dos nomes implicados na Operação Deriva – que apreendeu 7 aviões que despejavam agrotóxicos de forma irregular em Mato Grosso do Sul – o dono da empresa Aviação Agrícola e Logística Chapadão do Sul, Fábio Cherici, foi preso nesta terça-feira (11) após utilizar 3 das 6 aeronaves que foram embargadas durante a primeira fase da operação.

Os aviões foram encontrados em Primavera do Leste, Mato Grosso, em ação coordenada pela Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado), com auxílio da polícia civil da cidade. Fábio foi preso em Chapadão do Sul, distante 325 km de Campo Grande, por posse ilegal de arma. Ele está detido na delegacia e vai responder pelo crime de desobediência – que é inafiançável – com pena que pode atingir 4 anos de reclusão em regime fechado.

De acordo com a titular da Deco, delegada Ana Cláudia Medina, no dia 3, a delegacia recebeu denúncia de que o empresário havia removido três seis aeronaves interditadas.

“As aeronaves apreendidas do local, inclusive voando para local desconhecido e sem qualquer comunicação ou autorização legal para tanto”.  Os 3 aviões foram encontrados em uma oficina na cidade mato-grossense.

Armas e munições

A Deco cumpriu mandado de busca e apreensão na residência, no escritório comercial e no hangar do empresário, em Chapadão do Sul. A equipe coordenada pelo delegado Danilo Mansur prendeu Fábio em flagrante, por posse ilegal de arma.

Ele ainda mantinha, de acordo com a polícia, munições de calibre 357, 9mm, 12, 380 e 22, armas do tipo pressão, arpão, artifícios explosivos (bombas) e outras munições.

Conforme a delegada, Fábio responderá por desobediência, ao utilizar e esconder as aeronaves que foram embargadas por apresentarem diversas irregularidades durante a operação deriva.

Operação Deriva

Deflagrada no dia 22 de março, a operação Deriva uniu uma força-tarefa coordenada pelo MPT-MS (Ministério Público do Trabalho), MPF-MS (Ministério Público Federa) e MPE-MS (Ministério Público Estadual), para investigar o despejo irregular de agrotóxicos por empresas agrícolas em Mato Grosso do Sul.

Uma das empresas autuadas, a Aviação Agrícola e Logística Chapadão do Sul foi flagrada com 6 aviões irregulares, conforme o MPT. "Falta de apresentação de licença de operação, alteração no motor de aeronave, bomba eólica sem prévia autorização e documentos aeronáuticos vencidos foram algumas das falhas constatadas pela perícia técnica", comenta a Procuradoria do Trabalho.

Foram 4 empresas interditadas e 7 aviões apreendidos, de hangares localizados em Chapadação do Sul, distante 325 da Capital e Costa Rica, distante 384 km. No total, a força-tarefa aplicou R$ 270,7 mil em multas. Agrotóxicos vencidos, combustível irregular e pulverização sem licença ambiental foram alguns dos crimes investigados. 

O jornal Midiamax tentou ligar no escritório do empresário, mas as ligações não foram atendidas.

Jornal Midiamax