Polícia

Presa dupla que assaltava casas e vendia joias na OLX

Envolvidos eram evadidos do sistema prisional

Midiamax Publicado em 28/06/2017, às 21h09

None

Envolvidos eram evadidos do sistema prisional

Equipe da Derf (Delegacia Especializada na Repressão aos Crimes de Roubos e Furtos) prendeu dupla suspeita de pelo menos oito roubos a residências em Campo Grande, em menos de 45 dias.  Antonio Mota Junior, de 25 anos, conhecido como Fuçado e Augusto César Carneiro, de 40 anos, apelidado de Carneiro são evadidos do sistema prisional e vendiam produtos referentes ao crime, na OLX, segundo a Polícia Civil.

De acordo com o delegado Reginaldo Salomão, Fuçado e Carneiro fugiram do Sistema Prisional em março deste ano, onde cumpriam pena no regime semi-aberto. Após a evasão, os dois resolveram praticar roubos pela cidade e juntos, em menos de 45 dias, cometeram oito roubos.

A maioria dos crimes foi feita em residências com a presença dos moradores, sendo que os autores, agiam com violência, fazendo com que as vítimas deitassem no chão, as mantendo presas num cômodo da casa. Ambos estavam armados, sendo que Fuçado portava um revólver argentino, calibre .22, de 10 tiros e Carneiro usava um facão de cortar cana, com lâmina de aproximadamente 1 metro.

Presa dupla que assaltava casas e vendia joias na OLX

O primeiro a ser preso foi Antonio, em flagrante em uma ação conjunta da Derf e SIG Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário). Carneiro foi preso no último dia 26, reagiu a prisão pulando muros de residências do Bairro Nova Lima e depois lutando com os agentes para não ser algemado.

Após a prisão de Fuçado, Carneiro ainda cometeu um nono roubo com novos comparsas. Jovem é condenação até 2026 e possui registros anteriores a 2008, não consignados no Sigo. Além de prisões por porte ilegal de arma, violação de domicilio e furto qualificado.

Ambos possuem passagens pela polícia, sendo que Fuçado foi preso em 2012, possui quatro prisões por furto, três por tráfico de drogas e uma por dano, tendo sido condenado a 5 anos e 1 mês de prisão. 

Jornal Midiamax