Polícia

Operação aplicou R$ 3 milhões em multas e interditou 20 aeronaves em MS

Duas aeronaves chegaram a ser apreendidas

Aliny Mary Dias Publicado em 28/11/2017, às 16h33

None

Duas aeronaves chegaram a ser apreendidas

Durante dois dias de operação que fiscalizou aviação agrícola em Mato Grosso do Sul e mais dois estados, força-tarefa aplicou R$ 3 milhões em multas a 15 empresas e interditou 20 aeronaves que eram usadas no combate a pragas nas plantações.

Balanço divulgado nesta terça-feira (28) pelo MPF (Ministério Público Federal) revelou que cinco propriedades rurais foram fiscalizadas em 12 cidades do Estado na seman passada.

As multas milionárias foram aplicadas pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) que constatou utilização de produtos perigosos fora da legislação, falta de destinação de produtos vencidos, armazenamento de produto contrabandeado entre outras coisas.

Sozinha, a empresa Agricenter Aviação Agrícola, localizada em Ponta Porã, foi multada em R$ 1,6 milhão por usar produtos perigosos de forma ilegal em 10 mil hectares.

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), por sua vez, fiscalizou 26 aeronaves e interditou 20 delas. Manutenção irregular e falha em documentação foram algumas das irregularidades constatadas.

Operação aplicou R$ 3 milhões em multas e interditou 20 aeronaves em MS

Segurança dos trabalhadores também foi observada pelo MPE (Ministério Público do Trabalho), que realizou autuações. Fiscalizações também foram feitas em Mato Grosso e Paraná, ao todo, foram R$ 8,2 milhões em multas.

Operação

A Deriva foi provocada pela Comissão de Combate aos Impactos de Agrotóxicos em Mato Grosso do Sul e coordenada pelos Ministérios Públicos Federal (MPF), do Trabalho (MPT) e do Estado de Mato Grosso do Sul (MPE-MS).

O trabalho contou com a participação da Polícia Militar Ambiental (PMA), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Delegacia de Combate ao Crime Organizado (DECO) e Instituto de Criminalística da Polícia Civil (PC), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) do Governo Federal e Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul (Iagro).

Jornal Midiamax