Polícia

Equipe que atendeu Wesner logo após ataque em lava-jato será ouvida

Polícia Civil tem 60 dias para encerrar inquérito

Midiamax Publicado em 04/05/2017, às 19h25

None
1230.jpeg

Polícia Civil tem 60 dias para encerrar inquérito

A Justiça aceitou o pedido de prorrogação do prazo do inquérito, que já havia sido encerrado,  e a Polícia Civil terá 60 dias para a conclusão das investigações da morte de Wesner Moreira da Silva, 17 anos. Para apresentar maiores indícios do homicídio doloso contra o dono e o outro funcionário do lava-jato, a primeira equipe médica que atendeu o adolescente no CRS (Centro Regional de Saúde), do Tiradentes, será ouvida.

O delegado Paulo Sérgio Lauretto da Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) explica que a conclusão das investigações, ainda, depende da confirmação de que a mangueira do jato de compressor foi introduzida ou não no órgão de Wesner.

Até agora, a vítima que morreu no dia 14 de fevereiro, na Santa Casa, após 11 dias de internação, os dois autores e a única testemunha do crime afirmam que a agressão foi sobre a roupa. Para dificultar, o delegado ressalta, que os laudos médicos realizados até o momento também não deram certeza do que, de fato, aconteceu.

A Polícia Civil não descarta que Wesner possa ter omitido a informação por constrangimento, tendo em vista, que ele foi ouvido em um leito de hospital ao lado de demais pacientes.  “A intenção era de ouvi-lo novamente, em um ambiente mais reservado, mas infelizmente ele não resistiu”, disse o delegado.

O delegado já teve acesso ao laudo elaborado pela Santa Casa e o documento afirma que as lesões internas do paciente são compatíveis com o boletim de ocorrência, ou seja, que a mangueira foi introduzida.

Depois desse primeiro atendimento foram feitos três laudos, um no dia 14 de fevereiro, que também informa que as lesões são compatíveis com a introdução da mangueiras, mas o documento não deixa a ‘afirmação’ clara.

No mesmo dia, Wesner faleceu e passou pelo segundo exame, o necroscópico. No procedimento, que foi realizado 11 dias após no crime, o médico legista afirmou que não havia lesões no órgão. Por conta dessa contradição foi solicitado um terceiro exame.

Neste terceiro laudo, o médico legista explicou que a força do ar é tamanha, que a aproximação da mangueira sobre o órgão já provoca sua abertura, ou seja, o ato de introduzir a mangueira seria possível sem causar lesões. Além disso, o laudo informa que as lesões internas são compatíveis com introdução da mangueira.

1ª Equipe Médica

Os médicos que atenderam Wesner no posto de saúde serão ouvidos, para que o delegado possa ‘amarrar’ o inquérito e enviá-lo à Justiça com maior número de indícios do crime. Mesmo assim, os dois suspeitos vão ser indiciados por homicídio doloso.

Sobre a prisão dos suspeitos, o delegado explicou que após o primeiro pedido, que foi rejeitado pela Justiça, não houveram novos fatos que reforçasse a prisão.

Jornal Midiamax