Polícia

Dez dias depois do assassinato de menino na pizzaria crime ainda continua um mistério

Família manda instalar outdoor para lembrar o crime e evitar que assassino fique impune.

Midiamax Publicado em 27/06/2017, às 18h08 - Atualizado em 01/06/2020, às 11h59

None

Família manda instalar outdoor para lembrar o crime e evitar que assassino fique impune.

Já e passaram quase dez dias do assassinato do estudante Rafael Lopes da Rocha, de apenas 15 anos de idade, numa pizzaria do bairro Parque das Nações II na periferia de Dourados e o crime continua “um mistério”. Até agora a polícia não encontrou o assassino.

O assassinato chocou a comunidade evangélica da Igreja Brasa Viva onde Rafael frequentava com a sua família e os moradores do bairro um dos mais populosos de Dourados.

Ele foi morto por volta das 21h30 na noite de 18 de junho numa pizzaria. Rafael, sua mãe, um irmão menor e dois tios saíram da saíram e foram jantar na pizzaria quando um atirador não identificado atirou seis vezes de pistola nove milímetros e saiu andando tranquilamente.

O adolescente foi alvejado com tiros no pescoço, peito, barriga, na perna e no braço direito. Rafael não tinha antecedentes criminais e era considerado pelos amigos e vizinhos de morava como um menino bom.

Testemunhas acreditavam que o assassinato tenha sido uma vingança já que Rafael teria tido uma discussão na escola onde estuda, mas esta linha de investigação já foi descartada pela polícia que continua investigando o caso.

Os amigos de Rafael mandaram confeccionar camisetas em homenagem ao garoto enquanto que familiares instalaram outdoor numa rotatória na principal rua de acesso ao Parque das Nações para que o caso não caia no esquecimento e que a polícia consiga descobrir quem é o assassino e que ele seja levado a julgamento.

Jornal Midiamax