Polícia

Com morte de vítima, estudante de medicina vai responder por homicídio

Vítima teve morte cerebral atestada 

Clayton Neves Publicado em 27/11/2017, às 17h36

None

Vítima teve morte cerebral atestada 

Com a morte de Lucas Henrique Souza Mateus, atropelado na madrugada do último sábado (24), o estudante de medicina, Rodrigo Santos Augusto, de 26 ano, responsável pelo acidente, passa a responder pelo crime de homicídio. A informação foi confirmada pelo delegado Mário Donizete, que passa a investigar o caso. 

Anteriormente, o caso havia sido registrado como lesão corporal dolosa na direção de veículo e embriaguez, no entanto, com a morte cerebral da vítima, confirmada nesta segunda-feira (27), o caso se agrava e o autor passa a responder por homicídio. “Agora a situação dele se agrava mais ainda”, explica o delegado. 

De acordo com o delegado, a liberdade condicional de Rodrigo não deve ser contestada, já que no dia do acidente o estudante não deixou de prestar socorro à vítima e se apresentou espontaneamente à polícia.  Ainda assim, por estar embriagado e possivelmente com velocidade acima da permitida para a via, o homicídio deve ser tipificado como doloso, quando se assume o risco de matar.

Rodrigo pagou fiança de R$ 50 mil e foi solto após colocar tornozeleira eletrônica. Ele também teve de entregar o passaporte e a CNH (Carteira Nacional de Habilitação), além de estar proibido de sair à noite, devendo ainda comparecer mensalmente à Justiça.

Lucas teve a morte cerebral atestada nesta segunda-feira (27), na Santa Casa de Campo Grande. Ele estava internado no CTI (Centro de Terapia Intensiva), com hemorragia cerebral, fratura no tórax e no fêmur. A família irá fazer a doação de órgãos do rapaz.

O atropelamento aconteceu na madrugada de sábado (24), quando o estudante de medicina voltava de uma festa de encerramento do curso. O impacto jogou Lucas para cima do parabrisa do carro do universitário. O rapaz precisou ser reanimado no local por socorristas e levado à Santa Casa.

Jornal Midiamax