Polícia

Bombeiros usam alho e destelham casa para achar cobra que fez família ‘fugir’

Animal deve ser solto em mata próxima

Midiamax Publicado em 04/05/2017, às 14h49

None
bcd4f4ba-e0d3-4e06-a7b9-b51feda2c205.jpg

Animal deve ser solto em mata próxima

Alho e creolina foram utilizados, nesta quinta-feira (4), para localizar cobra-cipó que ‘expulsou’ família de imóvel no Jardim Tarumã, em Campo Grande. Ela não é considerada venenosa.

Equipe do Corpo de Bombeiros teve que subir no telhado para retirar uma cobra-cipó, com cerca de meio metro. O réptil capturado deve ser solto em brejo próximo. 

Paula Andressa dos Santos, 24 anos, contou que a família foi surpreendia logo depois de se mudar há duas semanas para o imóvel no Condomínio Jorge Amado. A cobra teria aparecido no forro.

Temendo ataque, todas as cinco pessoas deixaram o local e se refugiaram na casa de parentes. “Desde que a vimos não dormimos com medo dela atacar. Temos crianças”, relatou.

Bombeiros retiram o animal em segurança, porém foram acionados minutos depois para atender caso semelhante em outro imóvel do condomínio. 

A cobra-cipó, Philodryas olfersi, costuma viver em árvores e mesmo não sendo considerada venenosa, vale o cuidado porque ao morder solta secreção tóxica que auxilia na imobilização de suas presas.

Dentre os sintomas mais comuns causados por serpentes consideradas não venenosas estão sensação de queimação, dor, hemorragia local, coceira e eritema, além de dormência e suadouros.

Jornal Midiamax