Polícia

Após 15 dias de monitoramento, polícia prende 3 por tráfico de drogas

Antes da prisão, polícia acompanhou diversas viagens do trio

Midiamax Publicado em 06/02/2017, às 11h41

None
fbb75462-0ebc-4ed3-a4ba-203808971209.jpg

Antes da prisão, polícia acompanhou diversas viagens do trio

Três homens foram presos em flagrante por tráfico de drogas, na MS-380, em Laguna Caarapã, a 279 quilômetros da Capital, neste domingo (5), após monitoramento dos autores, por uma equipe da Defron (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Fronteira).

Conforme o boletim de ocorrência, a casa de Pablio Ribeiro Maciel, de 30 anos, apontado como o chefe do grupo, já estava sendo monitorada há mais de 15 dias. Durante esse tempo, a equipe já havia constatado a ligação de Diego Pedroso Neves, de 26, e Valdemir Roberto Quadros, de 40.

A polícia acompanhou diversas viagens do trio à cidade de Ponta Porã, utilizando os veículos Hyundai I30, uma Santana e um Fiat Strada.

Neste domingo, conforme o registro policial, Pablio pegou o I30 e acompanhado de Diego foram para Ponta Porã, onde se encontraram com Valdemir, que estava com o veículo Santana. Em seguiram se dirigiram até uma casa, onde Diego desceu e pegou um veículo Strada verde saindo de Ponta Porã no sentindo BR-463.

Logo depois disso, o veículo Santana, conduzido por Valdemir e que tinha como passageira sua esposa, passou a frente dos outros veículos, cerca de 10 minutos de diferença.

No trevo da BR-463 que liga a Lagunita, distrito de Laguna Caarapã, o Santana seguiu reto e o I30 e o Strada entraram no distrito.

O veículo Santana foi abordado no posto Capey da PRF (Polícia Rodoviária Federal) e outra equipe acompanhou os outros dois pela estrada vicinal da Cabriteira, que após tentativa de abordagem iniciou-se uma perseguição.

O Fiat Strada parou após disparos contra os pneus. Diego foi retirado do veículo, que pegou fogo e foi destruído por completo. A carroceria estava carregada com maconha.

O I30 foi alcançado cerca de duas horas depois.

À polícia, Diego disse que foi contratado por Pablio para levar a droga até Minas Gerais, por R$ 10 mil. E Valdemir seria o batedor, por R$ 5 mil. Afirmou ainda, que foi Valdmir quem o avisou que a PRF estava parando os carros e por isso, Pablio também entrou no desvio.

Na casa de Pablio, a polícia apreendeu um rádio comunicador, celulares, notebooks e a documentação do Santana e do I30.

O crime foi registrado na própria Defron, como tráfico de drogas, e os envolvidos também responderão por associação de duas ou mais pessoas para praticar crimes previstos nos art. 33 e 34.

Jornal Midiamax