Polícia

Após 10 anos de abusos, enteada denunciou padrasto ao ver irmã caçula ser assediada

A criança contou para a jovem sobre o abuso e as duas procuraram a polícia

Renata Portela Publicado em 06/01/2017, às 12h58

None
depca.jpg

A criança contou para a jovem sobre o abuso e as duas procuraram a polícia

Na manhã desta sexta-feira (6), um homem de 36 anos foi indiciado pelo crime de estupro de vulnerável na Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente). Ele foi denunciado pela enteada de 19 anos, que desde o 9 contou ter sofrido abusos por parte do padrasto.

Segundo informações da polícia, além de abusar da vítima de 19 anos, o padrasto teria passado a assediar a enteada mais nova, agora com 12 anos. Ele teria começado os abusos quando a jovem tinha 9 anos e a caçula também passou a ser assediada quando completou 9 anos.

A jovem de 19 anos procurou a Deam (Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher) após 10 anos sofrendo abusos por parte do padrasto. Ela tomou coragem de denunciar ao perceber que a irmã mais nova, de 12 anos, começou a demonstrar comportamento estranho. A criança acabou revelando para a irmã que também sofria abusos.

Conforme relato das vítimas, não havia conjunção carnal, mas elas eram diariamente abusadas e assediadas. O irmão mais novo também disse já ter visto o padrasto tomar banho com a vítima de 19 anos anteriormente e desconfiava dos abusos. A jovem contou que após completar 18 anos, o padrasto parou de assediá-la.

Ouvida pela polícia, a mãe das vítimas contou que há aproximadamente 5 anos, quando a filha mais velha tinha 14 anos, desconfiou do comportamento estranho dela e do marido. No entanto, questionou os dois sobre o que estava acontecendo e ninguém contou nada para ela.

Certo dia, a mulher chegou a ver o homem saindo do quarto das filhas, mas ele disse que só foi até lá porque o menino estava chorando, apesar de a mãe não ter ouvido qualquer choro.

O homem foi preso e responderá por estupro de vulnerável.

Jornal Midiamax