Polícia

Três anos depois, acusado de matar homem a tiros na Nhanhá é condenado a 16 anos de prisão

Vingança teria sido motivo

Midiamax Publicado em 02/09/2016, às 19h59

None
328927_56551_57240.jpg

Vingança teria sido motivo

Edimar Rodrigues de Almeida foi condenado à pena de 16 anos de reclusão, em regime fechado, pelo crime de homicídio qualificado, nesta sexta-feira (2), por ter matado a tiros Francismar James Ferreira Vargas, em outubro de 2013. O julgamento ocorreu na 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande.

Conforme a denúncia, no dia 13 de outubro de 2013, na rua Antônio de Souza Júnior, no Jardim Nhanhá, Edimar atirou contra Francismar e o matou.

Edimar era ex-namorado da atual de Francismar e teria agido no intuito de vingar uma suposta agressão da vítima contra sua filha.

Por fim, o Ministério Público descreveu que Edimar dificultou a defesa de Francismar, pois o surpreendeu pelas costas em um bar.

Durante a sessão de julgamento, a acusação pediu a condenação levando em conta a reincidência do crime, mas defesa seguiu negando a autoria e pedindo a exclusão das qualificadoras.

Em sala secreta, o Conselho de Sentença condenou o réu por homicídio qualificado, e reconheceu a reincidência.

O juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri, Aluízio Pereira dos Santos, fixou em definitivo a pena-base em 16 anos de reclusão, em regime fechado, pelo crime de homicídio qualificado.

Jornal Midiamax