Polícia

Suspeito de ter explodido e assaltado Banco do Brasil em MS é preso no Mato Grosso

 A quadrilha pode ter levado R$ 1 milhão

Diego Alves Publicado em 04/05/2016, às 00h30

None
thumb6_c523a1013bbefa2c310588f13ee590d8.jpg

 A quadrilha pode ter levado R$ 1 milhão

Um suspeito de participação no assalto milionário ao Banco do Brasil em Sonora foi preso em Poconé (MT) na manhã desta terça-feira (3).  O rapaz foi localizado em uma casa no bairro Santa Tereza, e, outras três pessoas também foram detidas. Com eles, a policia localizou uma espingarda e algumas porções de entorpecentes. A estimativa é que a quadrilha tenha levado R$ 1 milhão após explodir o local.

De acordo com o site Poconet Notícias, o suspeito foi encaminhado para Mato Grosso do Sul. A ação contou com a participação de policiais civis do Garras (Grupo Armado de Repressão a Roubo a Banco e Resgate a Assaltos e Sequestros), do GCCO (Gerência de Combate ao Crime Organizado) e de investigadores da Policia Civil de Poconé.

Caso

No boletim de ocorrência registrado sobre o assalto, a Polícia Civil confirmou quatro explosões durante roubo ao Banco do Brasil em Sonora, cidade a 351 quilômetros da Capital. Ainda não há informação de pessoas presas e a quadrilha seria formada por até 12 pessoas, que podem ter fugido para o Mato Grosso.

Conforme o registro policial, o grupo estava fortemente armado com fuzis calibre 5.56 mm, submetralhadoras calibre 9 mm, entre outras armas de grosso calibre. Os suspeitos arrombaram o banco com explosivos e, a partir das câmeras de vigilância de estabelecimentos vizinhos, foi verificado que havia entre 8 e 12 pessoas atuando no crime.

Além disso, os bandidos utilizaram de dois a quatro veículos durante a fuga, sendo um Onix branco e uma Picape escura. Segundo a polícia, foram ouvidas quatro explosões durante o roubo. No registro policial também consta a informação das duas vítimas feitas reféns pela quadrilha, que conforme apurado pelo Jornal Midiamax, seriam taxistas que passavam pelo local no momento.

De acordo com a Polícia Civil, as vítimas foram obrigadas a ajudarem os bandidos a carregarem os malotes. Ao menos 8 bandidos entraram no banco, enquanto quatro permaneceram na frente do Pelotão da Polícia Militar e da Delegacia de Polícia Civil, efetuando disparos contra os prédios e as viaturas, evitando que os oficiais saíssem. Os tiros ainda atingiram postes, Prefeitura Municipal e almoxarifado da prefeitura.

Funcionária do banco relatou aos policiais que foram levados valores que estavam em dois cofres no interior da agência. Os assaltantes não arrombaram os caixas eletrônicos e, também segundo a funcionária, não é possível saber ainda a quantia de dinheiro roubado. Foram acionadas forças policiais especializadas, que saíram da Capital e polícias do Estado de Mato Grosso também foram comunicadas.

O caso é tratado pela Polícia Civil como roubo majorado pelo emprego de arma, associação criminosa armada e roubo majorado pelo concurso de pessoas.

Jornal Midiamax