Polícia

Empresária havia brigado com marido antes de acidente fatal

É o que dizem os amigos dela

Midiamax Publicado em 30/06/2016, às 20h12

None
acidente_renata.jpg

É o que dizem os amigos dela

Conhecidos da família de Renata Sampaio Sussi, de 37 anos, acreditam que a morte da empresária aconteceu por causa de uma discussão entre ela e o marido minutos antes do acidente. O homem está sendo ouvido na Delegacia de Polícia Civil de Batayporã na tarde desta quarta-feira (30).

Segundo o relato de uma testemunha, que preferiu não se identificar por medo de represália, o homem tinha um comportamento agressivo e já havia agredido Renata em várias ocasiões durante os dois anos de casamento.

Nesta terça-feira (29) minutos antes do acidente, o casal teria voltado a discutir e a mulher fugia do companheiro quando invadiu a contramão e colidiu frontalmente com um caminhão na MS-267. O homem é ouvido pelo delegado responsável pelo caso delegado Rafael de Souza Carvalho.

Ainda conforme o conhecido da família, antes do acidente a empresária mandou mensagens em áudio pelo WhatsApp apenas para o filho, de 14 anos e para o ex- marido, mas não se despediu.

O conteúdo dos áudios também é investigado pela polícia civil e o celular da vítima foi apreendido. No aparelho, segundo a testemunha, existem mensagens do suspeito ameaçando a empresária. “Os pertences da vítima estão na casa do atual marido e ele não deixou ninguém entrar lá, porque está tudo revirado da briga deles de um dia antes, quando ele agrediu ele”, denúncia.

Boletim de ocorrênciaEmpresária havia brigado com marido antes de acidente fatal

Segundo informações da Polícia Civil, em setembro de 2015 a Polícia Militar de Nova Andradina foi acionada pela Renata. Na data, ela denunciou que por motivos banais o marido havia a agredido com empurrões e também apertando seu braço.

Para se defender, ela teria mordido o dedo do homem e em seguida chamado à polícia. A empresária ainda confessou que não era a primeira vez que era agredida pelo marido. O caso na época foi registrado como vias de fato (violência doméstica).

Acidente

A empresária iria para Batayporã conduzindo um GM Cobalt para buscar uma funcionária, mas desviou o trajeto sentido à Anaurilândia.  No caminho, Renata invadiu a contramão e colidiu de frente com um caminhão, que seguia sentido Batayporã, cidade a 306 quilômetros de Campo Grande.

Com a força do impacto o carro ficou completamente destruído e Renata morreu no local. O caminhão teve danos na parte frontal e o motorista apesar de não ter sofrido nenhum ferimento ficou muito abalado e em estado de choque. 

Jornal Midiamax