Polícia

Dupla assassinada no carro teria ido fazer acerto de contas com desafeto

Arma de uso restrito foi usada na morte da dupla

Thatiana Melo Publicado em 02/09/2016, às 12h16

None
editada5.jpg

Arma de uso restrito foi usada na morte da dupla

Com o resultado da balística do duplo homicídio no Bairro Nova Lima, no dia 12 de agosto, a polícia teria chegado à conclusão que não houve perseguição e troca de tiros, e sim uma tentativa de emboscada das vítimas do veículo Fiat Uno contra o desafeto morador da residência em reforma.

Segundo informações, a dupla teria ido até a residência em reforma, na Rua Randolfo Lima para um acerto de contas contra um desafeto. O passageiro do carro desceu armado e foi em direção à residência, sem saber que o morador da imóvel já estava preparado a sua espera.

Ao chegar à varanda, Magno Guaber Guimarães foi recebido com vários disparos pelo autor, o motorista do carro Aílton Márcio Ferreira tentou fugir do local, mas foi atingido por um disparo de dentro da residência, que transfixou a porta do motorista ricocheteando em um pedaço de madeira na rua.

O autor usou uma arma de uso restrito e de acordo com informações teria fugido para o Paraguai depois do crime.

Relembre o crime

Magno Gauber Guimarães e Aílton Márcio Ferreira ambos de 32 anos, foram executados com vários disparos, na manhã do dia 12 de agosto. Eles ocupavam um Fiat Uno e estavam sendo perseguidos pelas ruas do bairro, quando tentaram se abrigar em uma casa em reforma e foram mortos.

Testemunhas contaram para a polícia, que Magno e Aílton, estavam em um Fiat Uno branco quando começaram a ser perseguidos por uma dupla de motocicleta.

Aílton conduzia o Uno e ao chegar em frente a construção, na Rua Randolfo Lima, parou o veículo. Neste momento, Cristóvão desceu e correu para dentro do imóvel em uma tentativa de fugir dos disparos.

Almeida foi perseguido pelo passageiro da motocicleta e os dois trocaram tiros, mas ele acabou baleado e morreu no local. Ao mesmo tempo, o condutor da motocicleta também desceu do veículo e executou Aílton, que ainda estava dentro do Fiat Uno.

Aílton tinha passagens na polícia por porte de arma, lesão corporal, violência doméstica e vias de fato, enquanto Cristóvão acumula registros de ameaça, vias de fato e furto.

Jornal Midiamax