Polícia

Detento ‘perturbado’ foi amarrado pelo colega de cela que alega legítima defesa

Os dois foram presos na noite de quinta-feira (28)

Renata Portela Publicado em 29/01/2016, às 12h56

None
derf3.jpeg

Os dois foram presos na noite de quinta-feira (28)

Os dois detentos que se envolveram em briga na cela da Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos) não tiveram nome ou idade revelados. Eles entraram em vias de fato na manhã desta sexta-feira (29) e precisaram ser encaminhados para atendimento médico no hospital.

Segundo o delegado Reginaldo Salomão, um dos suspeitos foi preso por estelionato, pela Dedfaz (Delegacia Especializada em Repressão a Crimes de Defraudações e Falsificações) e o outro preso pela Depca (Delegacia Especializada de Atendimento à Criança e ao Adolescente). Conforme relatado pelo delegado, os dois foram detidos na noite de quinta-feira (28) e dividiam cela. Além disso, o suspeito preso pela Depca estava 'perturbado'.

De acordo com informações da polícia, o rapaz preso pela Depca teria provocado a briga, partindo para cima do suspeito de estelionato. Na confusão, o homem preso pela Dedfaz foi agredido a socos, mordidas e quase teve o dedão dilacerado. Conforme relatado por ele, houve reação, em defesa, momento em que o agressor caiu no chão e bateu a cabeça.

Ainda segundo o delegado Salomão, após o agressor cair, ele foi amarrado com as próprias roupas. O rapaz que havia sido preso pela Dedfaz amarrou os braços do homem com a camiseta dele e as pernas com a calça. Na manhã desta sexta-feira, em vistoria nas celas, os policiais estranharam o sangue na cela, e viram o homem amarrado.

Corpo de Bombeiros e Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foram acionados. O rapaz que sofreu ferimentos graves na cabeça, traumatismo cranioencefálico moderado-grave, foi encaminhado para a Santa Casa. O outro envolvido na briga também foi encaminhado ao hospital e, posteriormente, para a audiência de custódia.

O caso deve ser tratado como lesão corporal e o rapaz preso pela Depca ainda será ouvido.

Jornal Midiamax