Polícia

Acusado de matar ex-esposa em 2010 é condenado a 16 anos de prisão

Estava foragido desde o crime

Ana Paula Chuva Publicado em 21/09/2016, às 21h16

None
preso3_0.jpeg

Estava foragido desde o crime

Após 16 anos foragido e preso apenas este ano, Josuel Aparecido da Silva foi condenado à 16 anos de prisão em regime fechado, pelo crime de homícidio qualificado, por matar a ex-mulher com quatro tiros. O julgamento aconteceu na manhã desta quarta-feira (21) na 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande.

O criminoso matou a ex-mulher após ela afirmar que não reataria o casamento. A vítima, Emília Brito era esposo de Josuel, eles permaneceram casados por 8 anos e tinham um filho, que na época do crime tinha 7 anos. O casal morava em Tangará da Serra, e depois da separação a esposa veio morar na Capital. Depois de 4 meses, o autor veio procurar a ex.

Segundo informações do TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), Josuel foi até a residência da ex-esposa, no bairro Coophatrabalho, com a intenção de reatar o relacionamento. No dia convidou a vítima para um passear e conversar um pouco. Após a conversa, retornaram a residência onde a mulher e o filho entraram, mas o homem permaneceu ali.

De acordo com a denúncia, o ex-marido sacou o revólver e efetuou os disparos enquanto a vítima caminhava para o fundo da residência, fugindo logo após os disparos.

Para o MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul), o criminoso agiu por motivo torpe, pois Emília se negou a reatar o relacionamento, e ele não aceitava a separação. Então usou convidou-a para sair e depois a atingiu pelas costas enquanto entrava em sua residência. 

Jornal Midiamax