Polícia

Vizinho é preso sob suspeita de estuprar 10 meninas após convidar para ver filme

Meninas afirmaram que foram abusadas sexualmente 

Renata Portela Publicado em 10/10/2015, às 13h47

None
maniaco.jpg

Meninas afirmaram que foram abusadas sexualmente 

Na sexta-feira (9), 10 meninas moradoras de Rio Brilhante, cidade a 158 quilômetros da Capital, foram ouvidas pela Polícia Civil do município. As crianças têm entre 4 e 12 anos e afirmam que foram abusadas sexualmente pelo vizinho, José Carlos da Silva, de 36 anos, que está preso desde quinta-feira (8).

O homem, que era conhecido como Carlinhos pelos moradores do bairro, foi denunciado pelas meninas, que foram ouvidas pela Polícia Civil durante toda sexta-feira e confirmaram os abusos. Alguns pais também deram depoimento e outras crianças reconheceram José Carlos e devem ser ouvidas nos próximos dias.

O delegado responsável pelo caso, André Fernandes, fez o pedido de mandado de prisão preventiva contra José Carlos, que foi autuado em flagrante por estupro de vulnerável, mas negou os crimes. Segundo a polícia, ele morava com o filho, de 9 anos, e em 2013 chegou a ser denunciado pelo mesmo crime, mas não foi preso.

Entenda o caso

José Carlos da Silva, 36 anos, morador do Bairro Manoel das Neves, é apontado pela polícia como acusado de abusar de pelo menos 10 meninas nos últimos 3 meses.

O último caso aconteceu na quarta-feira (7), por volta das 19h. As famílias descobriram os crimes na noite desta quinta-feira, e tentaram linchar o suspeito. A Polícia Militar foi acionada e prendeu José Carlos na casa dele. As crianças, vítimas de José, estavam chorando e com muito medo, segundo os policiais militares que atenderam a ocorrência.

José é vizinho das crianças e aliciava as vitimas para a casa dele, onde cometia os abusos. Ele participava de festas e churrasco com os familiares das vítimas e convidava as crianças para irem até a casa dele assistirem filmes. Os pais das crianças disseram que jamais imaginariam que o vizinho, que era amigo de todos e tinha a confiança dos moradores, faria uma coisa desse tipo.

As crianças disseram que, na maioria das vezes, José Carlos passava as mãos nos órgãos genitais delas. Uma das vitimas disse para a mãe que não contou quando foi abusada, pois sofreu ameaças por parte do homem.

As vítimas do abuso foram atendidas pelo conselho tutelar municipal e encaminhadas ao IML (Instituto de Medicina Legal) de Dourados. Os laudos periciais devem confirmar se houve conjunção carnal com alguma das meninas.

A polícia apreendeu na casa de José Carlos um computador, onde, de acordo com os agentes, foram encontrados no histórico vários filmes de desenhos pornográficos. As mães acreditam que suas filhas eram obrigadas a assistirem os filmes. Pen-drives também foram apreendidos, além de um celular e um tablet. 

*Com informações do site Rio Brilhante News

Jornal Midiamax