Polícia

Sejusp nega princípio de rebelião e registra confusão entre internos de Unei

O caso ocorreu em Três Lagoas

Renata Portela Publicado em 27/10/2015, às 16h14

None
sem_titulo-1_copia.jpg

O caso ocorreu em Três Lagoas

Na noite de segunda-feira (26), Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Três Lagoas, 338 quilômetros distante da Capital, foram acionados para irem até o prédio da Unei (Unidade Educacional de Internação) Tia Aurora. Houve um desentendimento entre adolescentes no local e os militares precisaram intervir.

Por volta das 20 horas, briga entre os internos da Unei Tia Aurora teria resultado em princípio de rebelião, destruição de móveis e queima de colchões. Segundo o site do município, Rádio Caçula, não houve feridos e uma hora após a confusão, os policiais conseguiram negociar com os internos.

Ainda de acordo com o site de notícias do interior, um adolescente passou mal por ter inalado muita fumaça dos colchões queimados e recebeu atendimento médico. A informação é de que há capacidade para apenas 12 internos e o local abriga 22 adolescentes.

Em nota, a Sejusp (Secretaria de Segurança Pública) informou ao Jornal Midiamax que, segundo a Superintendência de Assistência Socioeducativa, não houve princípio de rebelião na Unei Tia Aurora, mas sim desentendimento entre alguns internos, que foram contidos pelos próprios servidores do local.

Questionada sobre um novo prédio da Unei que foi construído em Três Lagoas, a reportagem foi informada que “Com recursos do Governo Federal e contrapartida do Governo do Estado, um novo prédio para a Unei Tia Aurora, com capacidade para 70 adolescentes, foi construído na BR-262, no Jardim Imperial, em Três Lagoas, porém a unidade ainda não foi ativada porque há necessidade de realização de concurso público para a contratação de agentes socioeducadores, sendo que as providências necessárias já foram tomadas pelo Governo do Estado, que já está elaborando o edital do certame".

Jornal Midiamax