Polícia

Quadrilha é presa com caminhonetes furtadas que seriam levadas ao Paraguai

Quatro veículos foram apreendidos

Renata Portela Publicado em 26/11/2015, às 11h44

None
indice.jpeg

Quatro veículos foram apreendidos

Na tarde de quarta-feira (25), por volta das 18 horas, quatro homens foram presos e quatro veículos apreendidos pela PRF (Polícia Rodoviária Federal). Dois motoristas faziam serviço de 'batedores', desde Brasília (DF), para outros dois motoristas que estavam em caminhonetes furtadas, que seriam levadas ao Paraguai. As prisões foram feitas em um posto de combustível na BR-163, saída para São Paulo.

Segundo informações do boletim de ocorrência, a equipe da PRF fazia fiscalização de rotina, quando avistou dois veículos conhecidos, que segundo a polícia são usados constantemente como batedores e passavam várias vezes pelo posto policial. A equipe então se deslocou até o posto de combustível, onde os veículos haviam parado.

No local, foram localizados a Amarok branca, placas PAD-7813, conduzida por Adson Silva Santos, de 30 anos, a Frontier prata, placas JKF-1147, conduzida por Gabriel de Brito Barbosa, de 31 anos, e o Voyage branco, placas JKO-8837, com Marco Antônio de Melo Mendonça, de 37 anos como motorista. Todos os veículos com placas de Brasília (DF).

Ainda segundo a polícia, após alguns momentos também foi localizado o Fiesta, branco, placas JJM-0433, também de Brasília (DF), conduzido por Aslei Silva Santos, de 39 anos. Em conversa com os motoristas, os policiais foram informados que Aslei e Marco faziam escolta das caminhonetes desde Brasília e tinham inteção de levá-los ao país vizinho.

Também em depoimento, os suspeitos revelaram que a Amarok e a Frontier haviam sido furtadas, mas Adson e Gabriel negaram o delito e disseram que apenas levariam as caminhonetes para o Paraguai. Dentro dos veículos foram encontrados rádios transmissores e os chassis e placas tinham sinais de adulteração.

O caso foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Vila Piratininga como receptação, adulteração de sinal identificador de veículo automotor, associação criminosa e desenvolver clandestinamente atividades de telecomunicação.

Jornal Midiamax