Polícia

‘Presos’ no trânsito, alunos da UCDB fazem buzinaço e clamam por nova via

 O trânsito caótico nas vias que dão acesso à universidade persiste há vários anos

Midiamax Publicado em 26/02/2015, às 12h06

None
img-20150226-wa0001.jpg

 O trânsito caótico nas vias que dão acesso à universidade persiste há vários anos

Acadêmicos da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) reclamam de um problema antigo. Trata-se do trânsito congestionado das vias que dão acesso à universidade. Alunos veteranos afirmam que em 2015 os congestionamentos estão piorando, causando buzinaços e atrasos diários.

De acordo com a acadêmica de Ciências Biológicas, Alessandra da Silva, para chegar à UCDB o aluno dispõe de duas vias: a Avenida Tamandaré e a Rua do Seminário. Todavia, uma delas está parcialmente interditada.

“Desde que começaram alguns reparos na Rua do Seminário, ela ficou parcialmente interditada. Isso faz com que muitos motoristas usem a Tamandaré, a deixando intransitável. Todo dia para ir e para voltar os motoristas ficam estressados e buzinam sem parar”, reclama.

A aluna afirma que outro possível motivo para o trânsito caótico deve ser o fato de que muitos estudantes irem à faculdade de carro. Ela também questiona se as antigas promessas para solucionar o problema irão sair do papel. “Conheço gente que estudou aqui há mais de 10 anos e o trânsito já era deste jeito. Muitos anos se passaram e nada foi feito”, destaca.

Nesse sentido, outra estudante, que preferiu não se identificar, ressalta que passou da hora do poder público tomar uma atitude. “Eles só prometem e nada fazem. É sempre assim. Chego quase todos os dias atrasada cerca de 40 minutos. Até quando isso vai durar?”, questiona.

Cobranças de melhorias

De acordo assessoria de imprensa da UCDB, a universidade prefere não dar um posicionamento oficial sobre o fato atual, mas ressalta que sempre cobrou melhorias no trânsito do poder público, mas nunca foi atendida.

A assessoria diz, ainda, que em 2014, o prefeito Gilmar Olarte prometeu, sem dar uma data específica, construir uma nova via de acesso à UCDB.

A reportagem entrou em contato com a Prefeitura de Campo Grande e com a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) para comentarem sobre o caos vivido pelos alunos. Todavia, até o fechamento deste texto, apenas a Agetran respondeu às perguntas sobre o congestionamento nas vias.

Segundo a agência, para melhorar a situação, está sendo feita uma sinalização na Avenida Tamandaré, deixando, assim, duas faixas de rolagem para os veículos trafegarem. Além disso, uma equipe trabalha na sinalização da via paralela à Tamandaré, Rua São Higino.

Contudo, quanto à construção de novas vias, a Agetran informou que cabe a outros órgãos se posicionarem sobre o assunto.

Jornal Midiamax