Polícia

Policiais militares de todo o Brasil fazem protesto silencioso sobre mortes no trabalho

Em Mato Grosso do Sul apenas Dourados e Três Lagoas houve adesão

Midiamax Publicado em 25/02/2015, às 20h30

None
600x306x4-54ee2a60acce16389116f9a7253159352829b30811da0.jpg

Em Mato Grosso do Sul apenas Dourados e Três Lagoas houve adesão

Às 15h00 desta quarta-feira (25), policiais militares de diversas cidades do país ficaram enfileirados em ruas de grande movimento e tocaram sirene por um minuto em manifestação às mortes em trabalho de colegas da categoria. No Mato Grosso do Sul, apenas duas cidades aderiram à paralisação: Dourados (distante a 230 quilômetros de Campo Grande) e Três Lagoas ( localizada a 324 quilômetros da Capital). 

Nos dois municípios os policiais ficaram em postura póstuma, em silêncio, enquanto a sirene era acionada nas viaturas. O protesto foi organizado no Estado pela Associação Beneficente dos Subtenentes, Sargentos e Oficiais Oriundos do Quadro de Policiais e Bombeiros Militares do Mato Grosso do Sul. A entidade está integrada com outras das categorias na reivindicação por melhores condições de segurança de trabalho. 

Ainda nesta quarta-feira (25), pela manhã em Brasília-DF, parlamentares da ‘Bancada da Bala’ (frente de deputados que são policiais militares ou bombeiros de carreira) receberam representantes de Mato Grosso do Sul e outros oito estados que cobram urgência na aprovação da PEC 300. A proposta de emenda constitucional estabelece que a remuneração dos Policiais Militares dos estados não poderá ser inferior à da Polícia Militar do Distrito Federal, aplicando-se também aos integrantes do Corpo de Bombeiros Militar e aos inativos. 

O protesto das 15h00 desta quarta-feira cobrou as políticas de Segurança Pública dos Estados a pressionar a Justiça pela punição de assassinos de policiais, especialmente os que são mortos fora do horário de expediente. Estima-se que a cada 32 horas no Brasil um policial seja morto.

Confira o vídeo:

Jornal Midiamax